11 de dez. de 2019

Dragon lords – DLL 2019


Título: Dragon lords
Mês: Dezembro
Tema: Com a capa verde
Editora Abril, 180p.

Sinopse: O roteirista e editor norte-americano Byron Erickson e o desenhista italiano Giorgio Cavazzano unem forças para criar uma das mais envolventes sagas já produzidas pela Disney. Transportados contra a vontade para uma dimensão desconhecida, Donald, Tio Patinhas e os sobrinhos, são aprisionados em um mundo medieval policiado pelos DragonLords, alienígenas violentos e opressores que cavalgam os alados cuspidores de fogo.

Faz tempo que eu tenho esse volume da coleção capa dura da Disney. Na verdade, eu só resolvi adquirir mesmo por que faz parte de uma coleção (diferentemente de outras, onde eu vou atrás só dos volumes que me interessam). Em comparação com os outros, este livro é um dos menores, e ao invés de conter várias histórias, traz só uma dividida em capítulos. Também traz informações sobre os ilustradores e imagens de capas originais. Completamente indicado.

9 de dez. de 2019

Anne da ilha (Lucy Maud Montgomery) – DLL 2019


Título: Anne da ilha
Autora: Lucy Maud Montgomery
Mês: Dezembro
Tema: Do gênero clássico
Editora Pedrazul, 236p.

Anne não é mais aquela garotinha sardenta e fantasiosa que chegou em Green Gables anos atrás. Agora uma jovem mulher, ela decide completar seus estudos em Redmond College. Ela vai morar com Priscilla Grant em Kingsport depois de conseguir alugar sua “casa dos sonhos”. Gilbert Blythe não esqueceu a moça, pelo contrário, o rapaz tem plena certeza de seus sentimentos, e agora que também está indo para Kingsport, ele resolveu não desperdiçar nenhuma chance. Anne vive muitas situações inusitadas e acaba tendo que lidar com pedidos desastrosos de casamento, enquanto não consegue perceber o que realmente sente por Gilbert...

Todos os livros da coleção Anne de Avonlea são maravilhosos, e novamente a editora Pedrazul está de parabéns pela publicação deste clássico. A história é de uma simplicidade e encanta toda vez. Adorei que neste livro a história se foca mais em Anne, e graças a série Anne with an E, eu leio os livros sempre com a imagem da atriz na minha cabeça, o que confesso, dificulta um pouco, já que a partir de agora o que se vê é uma Anne mais adulta. De qualquer forma, não me impediu de saborear esta leitura. Gilbert está se firmando como um dos meus heróis literários favoritos, não tem como não se apaixonar por ele. Livro completamente indicado.

6 de dez. de 2019

Contos do esconderijo (Anne Frank) – DLL 2019


Título: Contos do esconderijo
Autora: Anne Frank
Mês: Dezembro
Tema: De autor que você ama
Editora BestBolso, 140p.

Sinopse: Anne Frank (1929-1945) nasceu na Alemanha. Aos quatro anos, foi obrigada a sair do país com sua família após a chegada de Adolf Hitler ao poder. Em 1942, o pai de Anne, Otto Frank, sua mulher e filhas unem-se a mais quatro pessoas e decidem se esconder dos invasores alemães. Por dois anos tiveram que viver limitados ao anexo do sótão do escritório de Otto Frank. No esconderijo, o diário era o único instrumento de liberdade de Anne; nele, relatou a vida no Anexo Secreto, as transformações e as angústias de cada um dos que ali residiam.
Organizada em 1982 e publicada de acordo com as instruções da Anne Frank Fonds, esta coletânea inclui textos originalmente excluídos de O diário de Anne Frank, e revela um pouco mais da jovem Anne. São relatos sobre o primeiro dia de aula, o primeiro beijo, o amor do pai, os sonhos de menina e o medo de ser denunciada e descoberta.

Esse livro é uma coletânea de fábulas, contos, histórias e ensaios escritos por Anne Frank. É impressionante como mesmo presa em um porão por anos, sem saber o que iria acontecer com ela e com sua família, ainda assim Anne conseguia falar sobre felicidade de uma maneira tão forte. Não importa quais os personagens de seus contos, se fantasiosos ou reais, as temáticas sempre envolviam caridade e amor. Eu li a edição vira-vira, que do outro lado é o famoso Diário de Anne Frank, mas como já tinha lido este livro, fiquei só nos contos mesmo. Indicado.

4 de dez. de 2019

Princesa de papel (Erin Watt) – DLL 2019


Título: Princesa de papel
Autora: Erin Watt
Mês: Dezembro
Tema: Que você achou que a história é ruim
Editora Essência, 368p.

Ella Harper sabe como sobreviver. Após uma infância louca mudando de lugar para lugar com a mãe instável, e após a mãe morrer de câncer, Ella agora está sozinha tentando se virar quando Callum Royal aparece em sua vida, oferecendo uma casa, dinheiro, educação e uma família. Callum era amigo do pai que Ella nunca conheceu e leva a jovem para sua casa, onde ela terá que conviver com os filhos de Callum e a constante certeza de que não é bem-vinda, até porque Reed Royal faz questão de demonstrar que não a quer por perto. Mas quando eles começam a se entender, Broke, a namorada de Callum, solta uma bomba na família que pode mudar tudo entre Ella e os Royals.

Como de costume, eu instintivamente obedeço a seu comando. É como se ele tomasse conta de mim e eu não tenho certeza se eu gosto. Mas eu sou impotente para detê-lo.

Ella começou a história de maneira promissora: forte, lidando com a morte da mãe, sem ter com quem contar, consegue se virar. Até o momento em que ela conhece Reed. Mesmo que eles não se dêem bem desde o início, o efeito do corpo dele e dos olhos azuis sobre ela são fortes, e depois que eles começam a se envolver, Ella fica de um jeito que não pode ver um físico masculino bonito que pára de pensar, não consegue mais falar. Ridículo. E muito repetitivo. Muito. DEMAIS. Isso foi o que mais me irritou nesse livro. E eu já tinha percebido que essa fórmula “garota forte que sobrevive a dificuldades/é a responsável no lugar da mãe maluca ou instável conhece um cara rico com pinta de bad boy, se apaixona e vira uma completa idiota” ficou comum depois de Crepúsculo (Bella era exatamente assim). Não sei se o problema é a temática ou se ainda não encontrei um autor que possa escrever uma história como essa de outra forma, só sei que sempre espero que a protagonista siga um novo caminho na história, mas isso nunca acontece. O pano de fundo com Broke foi a melhor parte porque saia da repetição e movimentava uma história que de outra forma, se prenderia nas confusões de rapazes adolescentes problemáticos. Vou continuar lendo somente porque quero ver como continua.

2 de dez. de 2019

Peter Pan (J.M. Barrie) – DLL 2019


Título: Peter Pan: a origem da lenda
Autor: J.M. Barrie
Mês: Dezembro
Tema: Que comprou pela capa
Editora Universo dos Livros, 96p.

Na Londres do início do século XX, Peter Pan é um menino que voou da janela de sua casa até os jardins de Kensington aos sete dias de vida e nunca mais envelheceu. Vivendo no meio dos pássaros e brincando nas árvores durante a noite, Peter criou a teoria de que as pessoas nascem como pássaros e que perdem a capacidade de voar com o tempo e se tornam bebês humanos. Nos jardins, ele convive com Salomão, um corvo que recebe as cartas das mães que querem ter filhos e os envia de acordo com as exigências descritas. Em sua cabeça, Peter foi uma das crianças enviadas pelo corvo, mas ele quis voltar para os jardins e deixou sua mãe. Ao voltar para ela, ele percebe que não tem mais lugar em sua antiga casa e então passa a viver definitivamente nos jardins.

Peter Pan sempre foi uma dos meus contos de fadas favoritos, então quando achei esse livro que falava exatamente de como o menino que não cresce surgiu, não perdi tempo. A leitura é rápida, pois a narrativa é fluida, com um tom infantil, o que pode ser um dos fatores (ironicamente) que podem tornar certos aspectos da história meio confusos, então precisa-se ler com atenção. Uma ressalva: não se ira encontrar os personagens clássicos como o Capitão Gancho ou Wendy. Essa história é o início do mito do menino que nunca cresce. Totalmente recomendada.

18 de nov. de 2019

Lendo o Brasil: PARÁ – A torre acima do véu (Roberta Spindler)

Uma névoa estranha e assassina tomou conta da superfície do planeta. As pessoas sufocam, a pele arde e logo as ruas e todos os lugares ficam atulhados de cadáveres. Até mesmo os animais são afetados. Somente as pessoas que moram ou conseguiram se refugiar nos arranha-céus sobreviveram a isso. Décadas depois, Becca é uma dessas sobreviventes, mora em Rio-Aires, cidade controlada pela Torre. Ela, seu pai e seu irmão fazem trabalhos tanto para a Torre quanto para contratantes independentes. Numa dessas missões, o irmão de Becca é dado como morto. Para resgatá-lo, a jovem vai contar com a ajuda de Leon e vai acabar descobrindo mais do que imaginava.


Desde que li Contos de Meigan, me apaixonei pela narrativa da Roberta Spindler, mas confesso que quando ela anunciou o lançamento dessa distopia, não fiquei ansiosa para ler, por dois motivos: 1- em toda distopia que eu já li, tem que acontecer alguma coisa no final para me fazer odiar a história; 2- nem todas conseguem prender atenção, algumas eu terminei só por terminar mesmo e não queria que isso acontecesse com um livro da Roberta. Mesmo assim, li... e adorei.
A história é muito bem construída, prende a atenção do início ao fim sem que se fique “olhando para os lados”. Eu só achei que o final deixou pontas soltas, foi o tipo de história que se sabe que não vai ter continuação, mas que deveria.

Editora Giz Editorial.
288 páginas.

15 de nov. de 2019

198 livros: CHINA – Imperatriz (Shan Sa)

Luz era a terceira filha da segunda esposa de um plebeu enobrecido. Desde pequena, ela tomou consciência do seu papel como mulher na China do século VII. Após a morte do pai, ela e sua mãe se vêem empobrecidas e nas mãos dos filhos do primeiro casamento do pai, que nunca aceitaram a segunda esposa. Notada por sua inteligência, ela é indicada para ser concubina do imperador. Luz começa a sonhar com o dia que daria um filho ao imperador e garantiria a salvação de sua família. A vida de Luz dá muitas reviravoltas, enquanto ela aprende a lidar com as intrigas femininas da corte, onde esposas e concubinas se matam e a seus filhos em busca da própria segurança. Ao se tornar imperatriz de um imperador que a ama, mas que não foge do estereótipo da época, Luz se torna uma força a ser reconhecida, mandando e sendo obedecida, se inteirando dos problemas do império e fortalecendo seu poder. Após sua morte, sua descendência, infelizmente, apagou suas conquistas e não conseguiu manter o que ela construiu.


O império me venerava como a esposa e a mãe dos soberanos da dinastia Tang.

Meu único problema com esse livro foi o fato de ser um romance histórico ao invés de uma biografia. Eu poderia citar outras questões que me fizeram ter um pouco de dificuldade na leitura (como os nomes próprios e os títulos, além da própria linguagem ter um teor poético), mas depois percebi que isso não fez muita diferença na hora de conhecer essa personagem tão fascinante. Não sei praticamente nada de história chinesa, mas o pouco que sei me levou a ficar encantada com a vida dessa mulher e do que ela sofreu para poder fugir do ostracismo no qual as mulheres em sua condição viviam. Livro muito indicado.

Editora Ediouro.
351 páginas.

13 de nov. de 2019

Terminais (Roderick Gordon, Brian Williams) – DC 2019


Título: Terminais
Autores: Roderick Gordon, Brian Williams
Mês: Julho
Tema: Um livro escrito a quatro mãos
Editora Rocco, 416p.

Will e Elliot agora estão no mundo inferior, depois de toda a luta para impedir a disseminação do vírus. Eles encontram neogermanos que sobreviveram a catástrofe e recebem uma ajuda, enquanto doam sangue para que possa ser criada uma vacina. Elliot, com seus instintos Styx, lidera o grupo em direção a algo que nem mesmo ela sabe o que é. De alguma forma, eles acabam voltando para a Crosta, que está um caos, já que Hermione conseguiu levar adiante a Fase. A Inglaterra está tomada pelos Armagi, criaturas de pele transparente abomináveis e praticamente indestrutíveis que podem se regenerar com facilidade. Enquanto esperam pela ajuda dos EUA que eles não sabem se vai chegar, Will, Elliot, Chester e todos os outros precisam lidar com seus problemas pessoas enquanto tentam resolver a situação e acabar com os styx de uma vez.

Um dos melhores pontos nessa história é o contato com o presidente norte-americano, os autores souberam construir bem isso, não ficou forçado ou muito inventivo. Como todo final de série, o livro tem grandes perdas sim, se prepare, mas também tem muitas surpresas. A ação é constante, a história nunca perde o ritmo porque os personagens estão sempre em movimento. O final foi excelente, muito bem formulado, que deixou uma brecha (?!) para o que o futuro poderia reservar para Will. Confesso que me deixou empolgada por mais um livro, mesmo sabendo que este era o último. Uma série que foi uma surpresa do início ao fim, completamente recomendada.

11 de nov. de 2019

A arma de um jedi (Jason Fry) – DLS 2019


Título: A arma de um jedi
Autor: Jason Fry
Mês: Novembro
Tema: Um livro com personagens não humanos
Editora Seguinte, 200p.

A primeira Estrela da Morte foi destruída e Luke Skywalker é um herói da Aliança Rebelde, mas ele não se sente merecedor de todo esse reconhecimento. Em uma de suas missões, ele é atraído para o planeta Devaron pela Força, onde existe um antigo tempo jedi. Sua localização foi isolada pelo império e ultrapassar os limites impostos é proibido, mas Luke consegue entrar no lugar com a ajuda de Sarco, um guia local, apesar dos habitantes considerarem-no nada confiável e o templo, um lugar amaldiçoado. Enquanto ele está no templo continuando com seu treinamento, começa a ser caçado pelo império. Mas talvez nem só por ele...

Um livro que fala de lembranças, como A arma do contrabandista, só que dessa vez focado em Luke. É interessante a mescla que fazem entre passado e presente, além de mostrarem um Luke mais amadurecido, tentando continuar com seu treinamento interrompido com a morte de Ben Kenobi. O livro é pequeno, dá para ler em pouco tempo, e é uma boa pedida para quem quer ser aprofundar mais nesse universo.

8 de nov. de 2019

Star Wars The last jedi (Alessandro Ferrari) – DLLC 2019


Título: Star Wars The last jedi
Autor: Alessandro Ferrari
Mês: Novembro
Tema: Um livro que virou filme
Editora IDW, 80p.

A base da Resistência foi descoberta e agora está sob ataque, obrigando todos a fugirem. Enquanto Poe Dameron organiza um ataque para destruiu um encouraçado, o general Hux revela sua estratégia ao supremo líder Snoke. A Resistência acha que conseguiu escapar, quando é capturada de novo, e nesse novo ataque, toda sua liderança é morta, com exceção da general Leia. O que ela não sabe é que seu filho, Ben Solo, agora conhecido pela alcunha de Kylo Ren, não foi responsável pelo ataque que quase a matou. A Almirante Holdo assume a liderança da Resistência no lugar de Leia, e suas ordens entram em conflito com as ideias de Poe, que ajuda Rose e Finn num plano louco de ataque a nave da Primeira Ordem. Enquanto isso, Rey encontrou Luke, mas o jedi se recusa a treinar uma nova geração de jedi, e explica seus motivos. Uma poderosa e inesperada ligação da jovem com Kylo muda toda a perspectiva da guerra, e Rey se entrega ao inimigo na esperança de trazer o conflituoso cavaleiro de Ren de volta a luz. Mas a força funciona de maneiras estranhas, e nem Rey nem Ben estão preparados para o que está por vir.

A melhor graphic novel porque, obviamente, The last jedi foi o melhor filme da nova trilogia de Star Wars. Não só porque Luke finalmente dá as caras, mas porque se descobre mais sobre as motivações dos personagens chaves (e sim, claro, porque temos aquela visão maravilhosa do peitoral de Kylo Ren :D ) Esta HQ segue a linha de acontecimentos do filme, e os traços, principalmente de Kylo, estão melhores do que na graphic de The force awakens, mais uma coisa que gostei. Algumas cenas do filme ficaram estranhas por causa das expressões dos personagens que o artista resolveu retratar aqui, e acaba tirando um pouco do teor da história como a conhecemos vendo o filme (como por exemplo, mantiveram os três coques da Rey quando ela vai encontrar com Kylo, o que no filme ela já não usa mais, simbolizando o abandono de seu passado), mas nada que diminua o material. Recomendado.

6 de nov. de 2019

Uma real leitora (Alan Bennett) – DLL 2019


Título: Uma real leitora
Autor: Alan Bennett
Mês: Novembro
Tema: Com a capa azul
Editora Record, 112p.

Em um de seus passeios com seus cachorros, a rainha Elizabeth encontra um furgão estacionado nas dependências reais. Ao verificar e se desculpar pelos latidos dos cachorros, ela percebe que o furgão é uma biblioteca itinerante de Westminster. Ao emprestar um dos livros, começa sua paixão pela leitura. Mas esse novo interesse começa a se tornar um problema quando, ao observar com novos olhos seus compromissos reais, ela percebe que eles se tornaram desinteressantes. E isso não cai muito bem com seus servidores reais.

Um livrinho bem curto e muito fofo. Eu já admirava (admiro, no presente) a rainha Elizabeth II, então foi com boa vontade que peguei esse livro. Achei que seria uma história meio infantil, mas não. Despretensioso, o autor mostra como cresce o gosto da rainha pela leitura e que até mesmo ela sentiu que, depois de ler variados livros, sentiu a necessidade de colocar as próprias ideais no papel. Não acho que esse livro tenha algo de biográfico, mesmo assim vale a pena pensar que conhecemos um pouquinho do pensamento da rainha. Recomendo.

4 de nov. de 2019

A vida de C.S. Lewis (Robert MacSwain e Michael Ward) – DLL 2019


Título: A vida de C.S. Lewis: além do universo mágico de Nárnia
Autores: Robert MacSwain e Michael Ward
Mês: Novembro
Tema: Que está na sua estante há mais de 3 anos
Editora Martins Fontes, 440p.

Sinopse: Por mais de meio século, C. S. Lewis vem alimentando a imaginação de milhões de pessoas em todo o planeta com seu fantástico mundo de Nárnia. Para celebrar o 50º aniversário de sua morte, o dr. Alister McGrath reconta a vida deste que é considerado um dos maiores escritores do século XX.
Em A vida de C. S. Lewis: Do ateísmo às terras de Nárnia, McGrath apresenta um panorama abrangente e fascinante da trajetória de um pensador profundamente original e que se tornou fonte de inspiração para crianças e adultos em todo o mundo.

Os Inklings originais eram um grupo de estudantes de graduação que se reuniam no alojamento de Edward Tangye Lean (1911-1974) — irmão mais novo de David Lean, o futuro diretor de cinema — no University College, para ler textos inéditos que depois eram discutidos e criticados. Lean, que iniciou e organizou o grupo, escolheu o termo Inklings para sugerir a ideia de ocupar-se com a redação de textos. Lewis e Tolkien foram ambos convidados a frequentar essas reuniões, nas quais predominavam alunos de graduação. Quando Lean deixou Oxford em junho de 1933, o grupo foi desativado.

Um dos melhores livros do ano e a melhor biografia sobre C.S. Lewis que eu já li. O autor entra em detalhes de forma magistral, sem que a narrativa fique cansativa ou muito “lotada”. Cada capítulo é um aprendizado sobre a vida de Lewis, que me fizeram descobrir coisas que nem imaginava (principalmente sobre Joy Davidman e Mrs. Moore) e lembrar de fatos da vida dele que eu já havia esquecido (como se deu sua morte). As descrições dos momentos de sua vida e o contexto em que foi lançado cada um de seus livros prendem a atenção. Valeu cada minuto da leitura, recomendo completamente.

28 de out. de 2019

Lendo o Brasil: BAHIA – Chiquinha Gonzaga (Edinha Diniz)

Sinopse: Ó abre alas, que eu quero passar…” A música mais popular de Chiquinha Gonzaga bem poderia servir como lema para sua vida. Compositora e maestrina de sucesso, numa época em que mulher não tinha profissão, ela abriu caminhos e ajudou a definir os rumos da música brasileira. Deixou uma obra estimada em cerca de duas mil canções e 77 partituras para peças teatrais, maior do que qualquer compositor de seu tempo. O livro traz cerca de 90 imagens que convidam o leitor a conhecer o Rio de Janeiro da virada do século pelo olhar de grandes fotógrafos, além de fotos do acervo da família. Com uma pesquisa continuada da autora sobre detalhes da vida de Chiquinha, essa edição comemorativa dos 25 anos da obra torna-se imprescindível.


Que biografia! Lembro de ficar fascinada com a história de Chiquinha Gonzaga depois de assistir a série produzida pela Globo em 1999. As fotos, que fazem parte do acervo da família, são mais um chamariz para o livro. Só para constar: este não é o livro que inspirou a série: o livro em questão é de autoria de Dalva Lazaroni de Moraes, Chiquinha Gonzaga: Sofri e Chorei: Tive Muito Amor (a autora moveu um processo contra a Globo porque a emissora não lhe deu os devidos créditos, mas acabou falecendo antes do resultado do julgamento. Para saber mais sobre essa história, basta clicar aqui). Uma leitora prazerosa, como poucas. Livro indicado.

Editora Zahar.
316 páginas.

25 de out. de 2019

198 livros: SUÍÇA – Eram os deuses astronautas (Erich von Däniken)

Erich von Däniken dedicou sua vida a pesquisas pelo mundo todo na tentativa de mostrar que as civilizações da Antiguidade foram visitadas por extraterrestres, e a evidência desse contato entre humanos e essas entidades estão em monumentos antigos e nas histórias que hoje conhecemos como mitologias.


Certas coisas não são passíveis de ser inventadas. Também nós não iríamos vasculhar nossa pré história para descobrir astronautas e aviões celestes, se tão somente dois ou três livros antigos referissem tais fenômenos. Uma vez, porém, que de fato quase todos os textos dos povos primitivos em toda a volta do globo terrestre contam a mesma coisa, então é preciso que tentemos explicar as verdades objetivas ali ocultas.

Esse livro foi uma surpresa. A primeira vez que eu o encontrei foi por mero acaso, e logo pensei que se tratava de algum desses livros esotéricos do tipo “destruição de Atlântida” ou algo assim. Na verdade, se utilizando de estudos feitos sobre descobertas arqueológicas e de várias histórias das mitologias mundiais, Erich disserta sobre o contato entre entidades extraterrestres, que hoje conhecemos como os deuses antigos, e humanos dos tempos antigos, contanto esse que permitiu que a humanidade se desenvolvesse. E os “registros” desses contatos estão presentes nos vários monumentos e marcas misteriosas (como aquelas no solo da planície de Nazca) descobertos pela arqueologia. Leitura agradável e que faz pensar.

Editora Melhoramentos.
180 páginas.

23 de out. de 2019

Princesa Leia (Waid Dodson) – DC 2019


Título: Princesa Leia
Autor: Waid Dodson
Mês: Outubro
Tema: Uma releitura
Editora Panini Comics, 112p.

O planeta Alderaan foi destruído pelo império, e uma das únicas sobreviventes desse terror, a princesa Leia Organa, se vê com a cabeça a prêmio. No meio do luto pelos mortos, ela resolve arriscar a vida em uma missão para reunir os alderaanianos sobreviventes, o que a leva a Sullust. Enquanto o império continua caçando os responsáveis pela destruição da Estrela da Morte, Leia precisa descobrir reunir o que restou de seu povo.

Já perdi a conta de quantas vezes eu li essa HQ. De todos os gibis e HQs, esse se tornou meu favorito, por vários motivos: o fato de ser da princesa Leia, porque faz alusões a Padmé (o que a trilogia original faz somente no último filme e muito brevemente). Publicado no Brasil em seguida a morte de Carrie Fisher, o sabor de ler essa HQ acaba se tornando agridoce, mas vale a pena. A personagem foi uma das primeiras a tirar a mulher do conceito de “sempre vítima” e mostrou como as mulheres podem ser fortes, apesar das maiores adversidades. Essa é a edição brochura, que reúne os cinco volumes da HQ. Completamente indicado.

21 de out. de 2019

A Clepsidra de Aldibah (Licia Troisi) – DLS 2019


Título: A Clepsidra de Aldibah
Autora: Licia Troisi
Mês: Outubro
Tema: Um livro de um autor italiano ou espanhol
Editora Rocco Jovens Leitores, 256p.

Sofia e Lidja sentem a vertigem ao mesmo tempo. A Gema da Árvore do Mundo está se apagando, e nem o professor sabe explicar o ocorrido. No dia seguinte, descobrem o motivo da sensação perturbadora: em Munique, na Baviera, um dos Draconianos foi assassinado, e com sua morte acaba para sempre a chance de derrotar Nidhoggr. Eles viajam para o local e começam a saber mais sobre a vida do jovem Karl. Eles também descobrem que o poder da clepsidra de Aldibah serve para viajar no tempo, e assim, resolvem voltar ao dia do assassinato de Karl para evitar sua morte. Mas como sempre, viajar no tempo pode ter consequências terríveis…

Li em um dia. A vantagem dos livros dessa série da Licia Troisi é que a história prende tanto a atenção que não se consegue largar. Mais familiarizada com os personagens e nomes estranhos, consegui ler sem grandes delongas. Goste muito, o mistério e a ação começam desde o início do livro, e eu gostei de ver mais uma autora utilizando desse recurso de viagem temporal na sua história sem perder a principal característica (que eu vejo, pelo menos) dela, que é: quando de trata de morte, nem o tempo pode mudar essa situação. Adorei, agora é ficar no aguardo da continuação.

18 de out. de 2019

Elena, a filha da princesa (Marina Carvalho) – DLLC 2019


Título: Elena, a filha da princesa
Autora: Marina Carvalho
Mês: Outubro
Tema: Um livro com reencontro amoroso
Editora Galera Record, 322p.

Elena é filha de Ana e Alex. Agora uma jovem de dezenove anos e trabalhando como voluntária na Nigéria, Elena tem que voltar para casa, sua mãe está grávida de gêmeos (a gravidez é de risco) e sua prima Luce vai se casar. O que Elena menos esperava, nessa volta ao lar, era dar de cara com um movimento revolucionário que quer o fim da monarquia. No entanto, o que realmente tira seu sossego, é encontrar de novo seu primo, Luka, a ovelha negra da família. Elena nunca entendeu porque seu pai simplesmente não suporta ver Luka, nem os acontecimentos que levaram o primo a ser como é, além do conhecimento básico de que o pai dele foi responsável pelo sequestro de Ana e pelo atentado que quase matou o rei Andrej. O fato dela não entender exatamente o que sente, enquanto Luka vai tomando consciência de seu real desejo leva os dois num romance que eles sabem que não vai ser bem visto, mas nenhum dos dois dá a mínima para isso. Quando Marieva sofre um ataque cardíaco fulminante, a vida de Luka muda totalmente e ele é forçado a lidar com as consequências de atos passados. A questão é se Ana vai querer ficar com ele depois de saber toda a verdade.

De longe, o melhor livro dessa série (que não é bem uma série). Apesar de ter gostado quando a protagonista era Ana nos dois livros anteriores, esse sobre Elena vale mais a pena porque Ana me irritava muitas vezes kkkk brincadeira. A verdade é que Elena parece ser uma personagem mais segura de si. Coisas que geralmente me irritam nessas histórias são o romance proibido, mas aqui a autora soube trabalhar isso muito bem, porque Luka não é meramente um cafajeste sacana. A história por detrás de sua arrogância é triste e quando vemos o preço que ele pagou por isso, não tem como evitar uma simpatia. O fato de Ana ser a favor das escolhas da filha também foram outro ponto positivo (Alex me enojou certas vezes). O romance, a questão das manifestações anti-monarquia, a vida de Luke em sua fase “ovelha negra”, tudo isso a Marina soube combinar muito bem para montar sua história. Recomendo totalmente.

16 de out. de 2019

[manual prático de bons modos em livrarias] (Lilian Dorea) – DLL 2019


Título: [manual prático de bons modos em livrarias]
Autora: Lilian Dorea
Mês: Outubro
Tema: Com a capa rosa
Editora Seoman, 232p.

Sinopse: Em 2011 a livreira Lilian Dorea criou o blog [manual prático de bons modos em livrarias], para revelar histórias saborosas e hilárias de seus atendimentos em livrarias. O sucesso foi imediato e ela passou a receber relatos de outros livreiros. Agora, transformado em livro, ela reúne os melhores “causos” do blog, histórias inéditas, curiosidades, dicas de livros, blogs, sites e, claro, livrarias e sebos. Se você quiser evitar ser o novo protagonista de um post do [manual prático de bons modos em livrarias] é melhor ler este livro com toda atenção e aprender a “etiqueta” das livrarias.

Esse livro é uma graça. Eu nunca trabalhei em livrarias, mas sempre achei que seria divertido. Só que depois de ler esse livro e ver a quantidade de coisas que os vendedores precisam lidar, desisti kkkkk me envergonho em admitir que algumas dessas perguntas toscas eu fiz algumas vezes... As situações são hilárias, morri de rir em algumas partes, principalmente nas respostas que os vendedores gostariam de dar, mas não podem. O livro traz umas ilustrações gracinhas, a própria diagramação dele é fofa, similar a uma edição de bolso. Vale a pena simplesmente pelo fato de ser uma leitura muito divertida.

14 de out. de 2019

Miniaturista (Jessie Burton) – DLL 2019


Título: Miniaturista
Autora: Jessie Burton
Mês: Outubro
Tema: Do gênero terror/suspense
Editora Intrínseca, 352p.

Nella Oortman é uma jovem que acabou de se casar com Johannes Brandt. Ela deixa o interior holandês e passa a morar na cidade grande, acreditando que um casamento com um homem poderoso (Johannes é um comerciante muito bem sucedido) irá lhe dar uma vida de glamour, mas a coisa muda de figura quando ela chega na sua nova casa e conhece sua cunhada, Marin, e as pessoas que trabalham lá. Além disso, ela precisa lidar com as constantes viagens do marido, o que não o torna o homem mais atencioso do mundo. Tentando alegrar a esposa, Johannes a presenteia com uma miniatura da casa em que vivem. Nella encontra um miniaturista para fazer algumas peças, mas começa a receber peças que não encomendou, e que acabam revelando muito de sua vida, de uma maneira muito estranha...

Eu não sabia o que pensar dessa história. Na verdade, só tive interesse em ler mesmo por causa da série que adapta o livro. Foi uma dificuldade continuar a ler, não porque a história não seja interessante – ela é – mas porque no início a narrativa é muito arrastada. Só depois que Nella recebe a casa é que a leitura se torna mais proveitosa, e isso por causa do mistério das miniaturas. Tive que ler os últimos capítulos duas vezes para entender tanto o mistério do artista quando para me conformar com o final. Um livro muito envolvente, que valeu cada minuto inicial arrastado, recomendo.

25 de set. de 2019

Livros de Star Wars que eu gostaria que fossem traduzidos (parte 2)

Continuando com o post sobre os livros de Star Wars, agora eu trago algumas enciclopédias, livros de estudo e análise e livros sobre os filmes que eu adoraria que fossem traduzidos. Observando as avaliações que estes livros receberam, não acredito que qualquer editora sairia no prejuízo caso publicasse algum deles.

Enciclopédias como Women of the galaxy são o tipo de material que desperta interesse, não só porque fala das personagens femininas na saga, mas porque é relevante para o público, já que existem sim muitas fãs mulheres (muitas vezes tratadas com desrespeito pela comunidade nerd).
Sobre os livros de análise e os livros das artes dos filmes, também seria excelente. Star Wars tem uma gama enorme de possibilidades de estudo e livros assim só fariam aumentar o interesse.
Os livros dos filmes satisfariam a curiosidade dos fãs sobre as decisões mantidas e as mudanças durante a produção (o que ajuda a traçar paralelos com a saga original e criar teorias sobre acontecimentos no enredo ainda não revelados).

Enciclopédias


Star Wars year by year (2016) apresenta uma linha do tempo definitive de Star Wars com a história completa da saga.
Women of the galaxy (2018) traz os perfis e os detalhes de 75 personagens femininas dos filmes, comics e games da saga Star Wars, com mais de 100 ilustrações.

Livros de estudo e análise

Este tipo de publicação é muito válida, porque hoje tem muita gente tendo Star Wars como foco de estudo acadêmico. Meu Trabalho de Conclusão de Curso teve o autor J.R.R. Tolkien como assunto, e na época a dificuldade de encontrar livros sobre ele era imensa, então entendo como é difícil encontrar referências em português. Além do que, esse tipo de publicação estimula mais e mais estudos.


The Secret History of Star Wars (2008) apresenta a história por trás da criação de Star Wars, se valendo de entrevistas e artigos para mostrar como a saga foi escrita e produzida.
Star Wars and history (2012) analisa as lendas, os acontecimentos e personagens históricos que serviram de influencia para a criação de personagens, lugares e eventos da saga.

Livros sobre os filmes


The Art of Star Wars: The Force Awakens; The Art of Star Wars: The Last Jedi; The Art of Star Wars: The Rise of Skywalker, escritos por Phil Szostak são guias sobre os filmes. Considerando que esta trilogia está despertando reações diversas desde o primeiro filme, as informações contidas neles seriam de grande ajuda para que as pessoas entendessem mais as decisões criativas por trás da produção.

Agora que a editora Aleph, responsável por algumas publicações da série de Star Wars (do cânone e do legends) anunciou mês passado que não vai mais publicar nenhum livro e abriu mão dos direitos, talvez fique mais difícil de vermos tanto as novelizações quando outros livros traduzidos no Brasil, então, resta esperar.

23 de set. de 2019

Livros de Star Wars que eu gostaria que fossem traduzidos (parte 1)

Hoje eu quero falar sobre Star Wars, essa saga maravilhosa. Desde que eu soube do lançamento em português da novelização de Rogue One, fiquei pensando em quais livros gostaria que fossem traduzidos para o português. A novelização de Os últimos jedi foi lançada ano passado e me deixou em um frenesi doido atrás de livros sobre os filmes. Infelizmente, a novelização de O despertar da força até hoje está, segundo a editora, esperando autorização da Disney (apesar de já ter uma capa e os dados no skoob, eu só espero que não demorem com a novelização de Rise of Skywalker).

Capa brasileira da novelização de O despertar da força (diferentemente da capa de Os últimos jedi, que é o pôster, escolheram a mesma capa do storybook do filme)

Fiz essa lista aí dos livros que gostaria que fossem traduzidos e lançados no Brasil. Alguns poderiam somente ser lançados em formato ebook, mas os romances deveriam ser lançados aqui, principalmente os que tem como protagonista aqueles personagens que caíram no agrado geral dos fãs (como o livro da Ahsoka). Também na época da estréia de O despertar da força, muitos livros da série “Jornada para” foram lançados, diferentemente do que aconteceu na época da estréia de Os últimos jedi (os dois títulos dessa série são outra boa pedida).

Romances


Ahsoka (2016) narra o que aconteceu com a aprendiz de Anakin Skywalker durante o tempo em que ela deixou a Ordem jedi até seu reaparecimento lutando ao lado dos rebeldes.
Star Wars The Force Awakens: Rey's Story (2016) conta a história de Rey no deserto de Jakku, e como era sua vida de catadora de lixo até o momento em que encontra um dróide perdido.
Queen’s shadow (2019) mostra a transformação de Padmé Amidala de rainha em senadora da República, a pedido da nova rainha eleita de Naboo.
Master & apprentice (2019) narra o relacionamento (um tanto difícil) entre Qui-Gon Jinn e Obi-Wan Kenobi e como mestre e aprendiz aprenderam a conviver, enquanto lidam com o medo de estarem falhando um com o outro.

Estes também são romances, mas todos tem ligação com os filmes, mostrando personagens ou acontecimentos relacionados ao que nós vemos no cinema: The legends of Luke Skywalker e Leia, princess of Alderaan fazem parte da “Jornada para Os últimos Jedi” e Spark of the Resistance, Resistance reborn e Force collector fazem parte da “Jornada para Rise of Skywalker”.

    

The legends of Luke Skywalker (2018) traz uma coleção de histórias e mitos sobre o famoso herói Luke Skywalker durante os acontecimentos do Episódio VI.
Leia, princess of Alderaan (2018) narra como a jovem princesa Leia, prestes a ser nomeada formalmente como a herdeira do trono de Alderaan, descobre sobre os verdadeiros planos políticos de seus pais e aliados numa galáxia destroçada pela opressão.


Spark of the Resistance (2019) narra a viagem de Rey, Poe e Rose para o planeta Minfar, de onde receberam um pedido de ajuda, e onde irão enfrentar um batalhão da Primeira Ordem e encontrar uma arma que pode mudar o curso da guerra.
Resistance reborn (2019) mostra a luta de Leia, Poe, Rey e Finn para fazer com que a decaída Resistência se transforme novamente numa força capaz de deter a Primeira Ordem. 
Force collector (2019) narra a jornada de um adolescente para descobrir qual a ligação entre o seu poder na Força e os jedi.

Histórias curtas


The original trilogy stories (2015) contém 18 contos com Han Solo, princesa Leia e Luke Skywalker ilustrados por Brian Rood.
From a certain point of view (2017) traz 40 histórias curtas, escritas por variados autores, reimaginando momentos de Uma nova esperança através de pontos de vista de personagens não muito explorados.
The prequel trilogy stories (2017) traz 18 contos, desta vez com os protagonistas da saga prequel, também ilustrados por Brian Rood.

20 de set. de 2019

Lendo o Brasil: ALAGOAS – A volta de Alice ao País das Maravilhas (Ben Rogers)

Alice quer muito voltar ao País das Maravilhas, e acaba fazendo esse desejo ao soprar as velas de seu bolo de aniversário. De sua irmã Lorina, ela ganha um Coelho Branco, que faz Alice lembras do que viveu. O que a menina não imaginava era que durante a noite, o coelho ganharia vida e sua gata começa a caçá-lo. Ela vai atrás e cai novamente na toca do Coelho, onde encontra um corredor cheio de portas. O Gato de Cheshire aparece para ajudar a menina a desvendar o que cada porta esconde, e onde ela encontra velhos conhecidos...


Eu achei esse ebook na sorte, quando estava na moda a leitura de releituras de clássicos. Comprei, guardei para ler num momento oportuno (de tema para um desafio literário, por exemplo) e li agora, não só porque estava atrás de uma leitura mais leve. Tá certo que Alice nunca foi meu clássico favorito, mas estou gostando de ver vários autores atuais reescrevendo a história ou dando continuidade aos personagens (ao fazer Alice ter descendentes).

Editora Garcia Edizioni.
210 páginas.

18 de set. de 2019

198 livros: FEDERAÇÃO RUSSA – Contos (Anton Tchekhow)

Sinopse: Tchekhov foi um dos maiores autores russos e um dos mais importantes dramaturgos e contistas de todos os tempos. O escritor tinha a rara capacidade de ver e transmitir a beleza quase imperceptível do cotidiano e mostrar a força e a profundidade da alma humana e, sobretudo, dos sentimentos e das relações pessoais, no que elas têm de mais nobre ou de mais mesquinho e desprezível. Com tradução e seleção de Tatiana Belinky, um ícone da nossa literatura, esta coletânea traz os principais contos de Tchekhov, como "A senhora com o cachorrinho", "A morte do funcionário" e "O bilhete de loteria".


Entre um livro de contos e Lolita, resolvi escolher os contos, até mesmo para conhecer o autor e diminuir os livros da minha estante (e porque fiquei com a sensação de que Lolita me faria ter muita reação de nojo, e no momento estava procurando livros leves). Como todo livro com personagens russos, me confundi um pouco durante a leitura e sinceramente, não sabia muito o que esperar, então li sem expectativa. Valeu a pena para conhecer o estilo do autor.

Editora Nova Fronteira.
249 páginas.

16 de set. de 2019

Os diários da Mamãe Ganso (Chris Colfer) – DC 2019


Título: Os diários da Mamãe Ganso
Autor: Chris Colfer
Mês: Setembro
Tema: Um livro escrito por alguém até 30 anos
Editora Benvirá, 128p.

Sinopse: Mamãe Ganso nunca se encaixou muito bem no Palácio das Fadas, ela não tinha nada a ver com aquelas criaturas cheias de brilho e frescuras. Quando descobriu a existência do Outro mundo, para onde foi enviada pela Fada Madrinha a fim de espalhar os contos de fadas, percebeu que poderia ajudar, e muito, na evolução daquele lugar não-mágico. Em suas idas e vindas, Mamãe Ganso participou, de maneira despretensiosa, de alguns dos maiores acontecimentos do mundo que conhecemos. Entre as histórias que Mamãe Ganso revela com exclusividade neste livro estão a manifestação em favor do voto feminino -- valeu, MG! --, sua participação no show Oeste Selvagem de Buffalo Bill, no qual atirava em garrafas colocadas na cabeça de crianças, e até mesmo o affair, que cheira muito mais a amor verdadeiro, que teve com Leonardo da Vinci.

Um livro bem fininho e divertido, que fala das aventuras da Mamãe Ganso no mundo real (sem mágica), ou Outro Mundo. A leitura é leve e divertida, e cada um dos relatos mostra um pouquinho da personagem e de como ela é: alguém que adora uma diversão e que não suporta os finais felizes dos contos de fadas hahahahaha Ele não exatamente faz parte da série Terra de histórias, só serve para nós conhecermos um pouco mais dessa personagem hilária. Indicado.

13 de set. de 2019

Frankenstein (Mary Shelley) – DLS 2019


Título: Frankenstein
Autora: Mary Shelley
Mês: Setembro
Tema: Um livro do gênero que você menos gosta
Editora Martin Claret, 220p.

Em uma viagem cujo destino era o Pólo Norte, o capitão Walton resgata Vitor Frankenstein. Durante sua recuperação, o homem estranho conta sua história para seu salvador. Vitor foi um jovem de boa família, que teve boa educação e pais amorosos. Quando jovem, ele decide se dedicar aos estudos das ciências naturais e tem a idéia de criar um homem. Ele era obcecado com o segredo da vida em si mesma. O jovem leva dois anos nesse “projeto” e quando sua criação fica pronta, ele percebe que o homem que criou não é aquilo que imaginou. Horrorizado, ele foge e não conta para ninguém o que fez. O que Vitor não imagina é que sua vida irá mudar completamente, pois a criatura se julga abandonada e, devido ao terror que inspira nos homens, se dedica a perturbar e matar todos aqueles que Vitor considera caros, pois a criatura julga Vitor culpado.

Eu sempre quis ler esse livro, mas nunca tinha conseguido uma boa edição. Felizmente, achei uma tradução boa na biblioteca da escola onde trabalho e li durante o meu intervalo. Gostei bastante. Não sei se Frankenstein e Drácula fazem parte do mesmo gênero literário (ambos tem aquele toque de terror e mistério), só sei que prefiro Frankenstein. Além de finalmente poder matar minha curiosidade sobre a história (e finalmente perceber que Frankenstein é o nome do cientista, e não da criatura), gostei do estilo de escrita de Mary Shelley. Um clássico recomendado.

11 de set. de 2019

Herdeiro do jedi (Kevin Hearne) – DLL 2019


Título: Herdeiro do jedi
Autor: Kevin Hearne
Mês: Setembro
Tema: Do gênero ficção científica
Editora Aleph, 320p.

Luke Skywalker é um herói. Depois de destruir a Estrela da Morte, a maior arma do império, o aprendiz de jedi tenta lidar com a sua vida e as mudanças que lhe aconteceram durante esse tempo. Agora que Obi-Wan Kenobi não está mais do seu lado para lhe ensinar os caminhos da força, Luke reflete sobre como praticar o pouco que aprendeu enquanto realiza pequenas missões para a Aliança. Uma dessas missões, para a qual vai receber ajuda de Nakari Kelen, consiste em resgatar uma criptógrafa chamada Drusil Bephorin que trabalha sob ameaça para o império, enquanto outros resgatam a família dela, pois Drusil está disposta a oferecer seus serviços para os rebeldes.

Esse livro é bem simples. Eu gostei bastante dele porque conseguia ver o Luke jovem exatamente como Mark Hamill o personificou: curioso, ingênuo, heroico. Como a história se passa entre os episóidos IV e V, foi bom ver como ele lamenta a ausência de Ben Kenobi e o tipo de curiosidade e medo que sente de Darth Vader (claro, ele ainda não sabe do parentesco). O relacionamento entre ele e Nakari é o ponto alto e divertido do livro e é onde se vê bem claramente o seu nível de ingenuidade. Confesso que o final me surpreendeu, não esperava de maneira nenhuma que fosse ser o que foi. Como agora que estou me inteirando mais sobre as diferenças entre o que faz parte do novo cânone e o que fica de fora, não sei muito sobre a importância de Nakari, mas é claramente uma personagem que eu amaria ver em outras histórias. Completamente recomendado.

9 de set. de 2019

O livro dos vilões (Cecily Von Ziegesar, Carina Rissi, Diana Peterfreund, Fábio Yabu) – DLL 2019


Título: O livro dos vilões
Autores: Cecily Von Ziegesar, Carina Rissi, Diana Peterfreund, Fábio Yabu
Mês: Setembro
Tema: Com mais de um autor
Editora Galera Record, 320p.

Em “StepSisters – Sobre Sapatos e Selfies”, de Cecily von Ziegesar, as irmãs gêmeas malvadas da Cinderela estão se preparando para o Baile de Solstício de Verão da escola. Elas querem parecer as melhores porque esperam que o solteiro mais cobiçado da cidade dê as caras, e quando isso acontece, nenhuma das duas esperava que o “príncipe” poderia se interessar por outra garota. Só que Cindy não é exatamente a mocinha despreparada dos contos de fadas...
A história de Carina Rissi, “Menina Veneno”, traz a história de Malvina, a madrasta má da Branca de Neve. Rejeitada e órfã, Malvina hoje é uma modelo super famosa e muito desejada. Viúva muito cedo, teve que arcar com a tutela da enteada que parece ser uma adolescente sem noção. Quando a jovem acaba sendo chamada para ser o novo rosto de uma marca famosa que praticamente pertencia a Malvina, a modelo fica sem chão. Mas a coisa piora quando o cara por quem se interessa também a troca pela enteada. Agora Malvina vai fazer de tudo para manter o que tem, nem que para isso tenha que usar de métodos nada inofensivos.
Em “Quanto mais afiado o espinho”, de Diana Petterfreund, Malena é uma jovem bruxa que não quer viver a vida como sua mãe, se escondendo das mesmas pessoas que vêm em busca de seus “preparos especiais” quando precisam, mas na rua viram a cara para não ter que cumprimentar. Assim, ela fez um acordo com a mãe: vai para a escola como qualquer garota normal, mas em casa vai ajudar a mãe sem reclamar. A mentira que conta para suas novas amigas só dura quando uma delas aparece na sua casa atrás de sua mãe... Depois disso, a vida de Malena vira um inferno na escola, porque ninguém quer ser amigo de uma bruxa. Quando a jovem resolve se vingar, ela percebe que tanto seus erros quanto as tentativas de consertá-los podem ter sérias consequências.
“A menina e o lobo” de Fábio Yabu fala dos contos de fadas vivendo eternamente e repetindo-se sempre e para sempre, cujo único propósito é alimentar os sonhos humanos. Todos os contos são controlados pelo Narrador, que fica completamente fora de si quando o lobo mau consegue escapar para o nosso mundo, onde ele acaba fazendo amizade com uma garotinha. E essa amizade mostra mais uma vez que nem sempre tão conhecido vilão é o que parece ser.

Um livro de contos que segue o molde do anterior, O livro das princesas. Cada história contada por um autor diferente, falando de algum vilão de contos de fadas. De longe, o que me ganhou foi a última história, sobre o Lobo Mau (adorei as referências a J.K. Rowling, deixou a história divertidíssima), além de ter, a meu ver, a mensagem mais bonita. A segunda melhor história foi a da Carina Rissi, uma autora de quem todo mundo fala bem. Fazia um tempinho que eu estava curiosa sobre ela e não me decepcionei, a construção da personagem vilã foi muito bem feita e, como na história do lobo, eu consegui me solidarizar. Se tivesse que escolher entre esse livro e o que fala das princesas, decididamente escolheria esse, pois tem os personagens muito melhores construídos. Recomendo.

21 de ago. de 2019

Lendo o Brasil: RIO GRANDE DO SUL – Akhenaton e Nefertiti: uma história armaniana (Carmen Seganfredo e A.S. Franchini)

Akhenaton, nascido Amenotep IV, filho de Amenotep III, foi alçado a herdeiro do trono após a morte do irmão Tutmés. Sua esposa-real, Nefertiti, considerada a mulher mais linda do mundo na antiguidade. Ambos são duas figuras muito enigmáticas para a história, cujos vestígios de reinado são tão poucos que nem os maiores especialistas hoje tem esperanças de descobrir o que realmente aconteceu em suas vidas. O que se sabe é que Akhenaton tentou estabelecer o monoteísmo no Egito, com o culto a Aton, sendo esta uma grande revolução política e religiosa.


Eu já li um ou dois livros da A.S. Franchini e da Carmen Seganfredo, então fiquei um pouco surpresa (quase negativamente) durante a leitura deste livro, não pela história em si, fazia muito tempo que eu não lia um romance histórico sobre o Egito (os primeiros que eu li foram sobre Cleópatra, uma leitura apaixonante) e estava saudosa. Acho que fiquei meio desapontada por causa da linguagem utilizada. Mas... deixando isso de lado.
A história é envolvente do início ao fim, mais de uma vez me peguei lembrando a minha época da faculdade de História em que eu devorava qualquer coisa sobre o Egito (em grande parte graças ao filme Múmia rsrsrs). Neste livro, Akhenaton tenta instituir o culto a um único deus no Egito politeísta e como a história afirma, não teve sucesso. Gostei das cenas do romance dele com Nefertiti e como se deu o nascimento daquele príncipe que reinou por pouco tempo, mas cuja múmia, mais tarde, se tornou um dos maiores achados arqueológicos: Tutankhamon (com esse nome já convertido ao culto a Amon, abandonando o culto a Aton de seu pai). Livro muito recomendado.

Editora L&PM Pocket.
330 Páginas.

19 de ago. de 2019

198 livros: SUÉCIA – A livraria dos finais felizes (Katarina Bivald)

Sara está perto dos seus 30 anos e nunca havia saído da Suécia antes. Sua vida é simples e seus muitos objetivos. Ela gosta muito de ler e acaba desenvolvendo por cartas uma amizade com a americana Amy, que a convida a visita-la em Broken Wheel. Mas quando Sara chega a cidade, ninguém sabe exatamente o que fazer com ela, pois Amy faleceu. A jovem é acolhida pelos moradores da pequena cidade e descobre mais sobre a vida de Amy. Quando Sara encontra a biblioteca particular da amiga, a jovem decide fazer algo para retribuir a cidade que a recebeu, sem imaginar que nesse processo irá descobrir tanto sobre si mesma e sobre o que realmente quer para sua vida.


Esse livro me chamou a atenção desde o início, e francamente eu tinha outras opções para o mês, mas resolvi ficar com ele mesmo. Sempre curti livros sobre livros, e A livraria dos finais felizes é também um livro sobre pessoas. No início a história ficou meio arrastada, mas depois que Sara resolve o que fazer com a biblioteca de Amy, começa a melhorar.

Ela estava convencida de que, assim que começassem a ler, os moradores de Broken Wheel se sentiriam muito melhor.

As citações dos livros é um chamariz, e eu curti bastante a “classificação” que ela deu aos livros na hora de coloca-los nas estantes. Também consegui me identificar bastante com a protagonista quando ela fala de sua adolescência, que passou com um livro debaixo do nariz (acho que todo leitor inveterado pode se identificar com isso). Gostei muito do livro, o final não foi o que eu esperava, mas valeu a pena.

Editora Suma de Letras.
334 páginas.

14 de ago. de 2019

A missão do contrabandista (Greg Rucka) – DC 2019


Título: A missão do contrabandista
Autor: Greg Rucka
Mês: Agosto
Tema: Um livro com personagens que não sejam humanos
Editora Seguinte, 200p.

Han Solo, agora já um homem mais velho, está sentado em um bar em algum lugar da galáxia, escutando uma conversa entre mercenários sobre a melhor nave de todas, e chegam a conclusão de que seria a Millenium Falcon. Ele então se intromete na conversa e oferece uma aventura em troca de uma bebida. Ele conta a história de quando, logo após receberem as medalhas de bravura pela destruição da Estrela da Morte, Han e Chewbacca estão pensando em voltar a vida de contrabando, mas acabam aceitando realizar a missão que Leia pede: resgatar o tenente Ematt no planeta Cykron. Ele é o líder e único sobrevivente de um grupo rebelde chamado Picanços, responsáveis por identificar e preparar novos lugares para servirem de bases para a rebelião, que agora está em fuga já que o império descobriu a localização de sua base. Muito a contragosto, eles aceitam a partem para o resgate, e tem que enfrentar não só a implacável comandante Alecia Beck, mas vários caçadores de recompensas que estão atrás de Han a mando de Jabba.

A história se passa logo após o final do episódio VI, e é muito divertida. Eu particularmente estou adorando essas histórias que preenchem as lacunas sobre o que aconteceu com os heróis rebeldes depois da destruição da Estrela da Morte. Isso sem falar na constante provocação entre Han e Leia e como ele sempre faz o que ela quer (ela cantando vitória, ele sem querer dar o braço a torcer), sinceramente essa parte é muito curta mas eu amo. Outro chamariz é o fato de mostrar um pouquinho mais sobre a personalidade de Han e seus problemas pessoais... O livro é rápido de ler porque a ação é constante. Muito recomendado.

12 de ago. de 2019

A nova história e glória da Dinastia Pato – DLS 2019


Título: A nova história e glória da Dinastia Pato
Mês: Agosto
Tema: Um mangá ou uma HQ
Editora Abril, 192p.

O destino de Donald, Tio Patinhas e dos membros da Família Pato nos próximos seis séculos. Além de trazer aventuras inéditas, esta edição também mostra os bastidores da história e entrevistas com os autores.

Essa HQ continua com a coleção História e glória da dinastia Pato, só que ao invés de mostrar os antepassados do Tio Patinhas e família, as histórias giram em torno do futuro dos personagens. Dividido em seis capítulos, algumas seguem um rumo distópico, o que foi interessante, pois acabou me fazendo pensar no futuro da raça humana e no que será considerado evolução daqui a um tempo... De qualidade impecável como a série original, completamente indicado.

9 de ago. de 2019

O mundo de Downton Abbey (Jessica Fellowes) – DLLC 2019


Título: O mundo de Downton Abbey
Autora: Jessica Fellowes
Mês: Agosto
Tema: Um livro que se passa em um lugar que você sempre quis visitar
Editora Intrínseca, 303p.

Sinopse: O sol nasce por trás de Downton Abbey, uma casa grandiosa e esplêndida em um terreno grandioso e esplêndido. A casa parece tão segura de si que dá a impressão de que o modo de vida que ela representa irá durar mais mil anos. Mas isso não acontecerá. O Mundo de Downton Abbey é o guia oficial das duas primeiras temporadas da série televisiva que virou uma verdadeira febre na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos ao contar a história da aristocrática família Crawley e seus criados, em uma suntuosa residência campestre da Inglaterra.
Além de encantar os fãs com fotos exclusivas de bastidores, depoimentos dos atores e da equipe técnica, o livro oferece um retrato muito vibrante daquele período de grandes mudanças (1912-1919). Cada capítulo trata de um tema, como vida familiar, romance, sociedade, criadagem, guerra, e é caprichosamente ilustrado com fotos antigas, artigos de jornal, partituras, anúncios e muito mais. Tudo para permitir que o leitor conheça melhor o contexto dos acontecimentos da trama, descubra os personagens reais que serviram de inspiração para a ficção e se encante com saborosos relatos da época.

Como tantas séries, eu vi trocentas recomendações de Downton Abbey e me interessei em assistir. Foi amor á primeira vista, me apaixonei por tudo, sinceramente esta foi uma das poucas séries em que não se encontra nada de errado. Algumas coisas me deixaram chateada, como a decisão de alguns atores em deixar a série, mas o produtor soube direcionar a história muito bem, mesmo com os fins chocantes. Então, quando a série acabou, fiquei meio obcecada em conseguir colocar as mãos neste livro por pura curiosidade sobre os bastidores, e não fiquei decepcionada. Visitar o castelo de Highclere já está na minha lista de “lugares para visitar antes de morrer” (junto aos itinerários de lugares ligados a Tolkien, Jane Austen e Rowling, sim, sou desse tipo de fã). Livro completamente recomendado para qualquer fã de romances históricos e principalmente apaixonado por Downton Abbey.

5 de ago. de 2019

Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda (Howard Pyle) – DLL 2019


Título: Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda
Autor: Howard Pyle
Mês: Agosto
Tema: Com a capa laranja
Editora Zahar, 328p.

Howard Pyle nascey em Wilmington, Delaware, em 1853. Desde criança se interessava por artes e durante os últimos anos de sua vida, escreveu a tetralogia cuja figura principal se centra no famoso Rei Arthur e seus cavaleiros. O primeiro livro, Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda” é dividido em duas partes: na primeira, ele descreve a infância de Arthur e como ele se tornou rei; na segunda, narra-se a vida de Merlin e dois cavaleiros famosos da Távola Redonda, Sir Gawaine e Sir Pellias.

Para começo de conversa, eu não fazia ideia de que esse livro fazia parte de uma tetralogia, e agora estou procurando para ver se a Zahar pretende publicar ou se já existe por aí. A leitura foi meio arrastada no início por causa da introdução sobre as variadas versões sobre a história do Rei Arthur. Outra coisa que me fez ter dificuldade em ler esse livro diz respeito a linguagem que, claro, foi inspirada nos textos medievais, mas que definitivamente não se adequa mais hoje (porque tudo é muito belo, ou muito heroico, ou muito encantador, toda essa repetição foi extremamente cansativa). As ilustrações de Pyle, todas as 41, complementam o clima medieval característico da história. Recomendo.

2 de ago. de 2019

Cem gramas de centeio (Agatha Christie) – DLL 2019


Título: Cem gramas de centeio
Autora: Agatha Christie
Mês: Agosto
Tema: Do gênero ficção policial
Editora HarperCollins Brasil, 228p.

Sr. Fortescue é o presidente da Consolidated Investiment Trust e está começando seu dia como qualquer outro. Mas sua rotina se altera completamente ao beber o seu costumenrio chá matinal, que nem ele nem sua secretária sabiam que estava envenenado. O inspetor Neele começa a investigar o caso e percebe logo que toda a família pode estar entre os principais suspeitos. A situação complica quando a viúva também é morta em condições estranhas que curiosamente seguem o mesmo padrão, até Miss Marple aparecer para descobrir quem é o verdadeiro culpado.

Como sempre sobre um livro de Agatha Christie, a história me prendeu até o fim, me fazendo pular de um suspeito para outro, errando até o fim. Os livros que tem Miss Marple como a solucionadora dos casos, diferentemente dos livros com Poirot, me fazem ter a sensação de serem mais curtos. Eu também gostaria que a personagem fosse mais ativa, por que ela simplesmente aparece, fala algumas poucas coisas e só (não que seja ruim ou torne a leitura chata, pelo contrário, são os palpites dela que movimentam as resoluções dos casos, mas mesmo assim, queria mais participação). A edição mantém a qualidade dos outros da coleção lançadas pela HarperCollins Brasil, e disso não dá para reclamar. Recomendo.

26 de jul. de 2019

Lendo o Brasil: RIO DE JANEIRO – Sou fã e agora? (Frini Georgakopoulos)

Um livro para fãs de filmes, livros e séries elaborados por uma igualmente fã que sabe do que está falando. Uma conversa sobre porque gostamos tanto destes tópicos de lazer atuais; além disso, a autora também debate sobre esse universo de fãs, falando dos famosos e às vezes não tão queridos ships, das obras de fãs mais ardorosos como as fanfics, dos preconceitos literários que todos temos e sofremos, e de como organizar um evento literário (Fini é mediadora de eventos).


Esse livro eu peguei por pura curiosidade, gosto muito de livros que vem indicando listas de leituras e de filmes. Frini Georgakopoulos não só monta uma lista de livros, mas também discute o porquê das pessoas gostarem tanto de filmes, séries, em uma linguagem pra lá de divertida e acessível, na maioria das vezes parecia que eu estava conversando com a autora ao invés de lendo. Gostei de quando ela fala dos preconceitos literários que todo mundo tem, mas ninguém assume. Uma leitura leve e muito bem vinda para o momento. Indicado.

Editora Seguinte.
160 páginas.

24 de jul. de 2019

198 livros: BÉLGICA – A primeira investigação de Maigret (Georges Simenon)

De madrugada, o flautista Justin Minard volta para casa quando vê uma mulher gritar por socorro, em seguida ele escuta um tiro. Na mesma hora, ele vai para a delegacia de polícia no bairro de Saint-Georges e conta tudo para o secretário Jules Maigret, que parte para no que será sua primeira investigação. Mas a coisa complica porque o pretenso crime aconteceu no endereço de uma das famílias mais ricas de Paris. Agora Maigret precisa resolver o crime sem deixar que se transforme em um escândalo que posso prejudicar o caso e sua carreira.


Achei esse livro em uma liquidação de livraria que estava fechando, aproveitei a chance de descobrir um novo autor. Mas acho que foi a história de detetive que me chamou a atenção. Maigret é um personagem que ainda está no início da carreira, então foi interessante acompanha-lo em suas dúvidas sobre o crime, ainda mais porque ele segue os manuais de instrução de sua profissão. Eu esperava mais do mistério em si, mas valeu a pena a leitura.

Editora L&PM Pocket.
196 páginas.

19 de jul. de 2019

O Rei Leão (2019)

Todo mundo já conhece essa história: Simba é o filhote de Mufasa e Sarabi. Ele é o futuro rei da selva. Quando é traído pelo seu tio, ele foge e conhece no exílio dois amigos, que irão ajuda-lo a crescer e a retomar o reino que é seu por direito.


Esse filme é muito lindo! Em se tratando de remake live action, O Rei Leão não deixa nada a dever para o filme de 1995. Pelo contrário, o que tem de menos (como as músicas do Scar e a famosa “Hakuna Matata”), compensa na nova música composta por Beyonce, “Spirit”. Aliás, a música tema do romance entre Nala e Simba na voz dela e do Donald Glover ficou maravilhosa:


Em se tratando de cenário, esse filme trouxe todo o colorido tão característico dos filmes infantis da Disney. A cena de abertura é igual, eu só estranhei o fato da música “Círculo da vida” não estar mais na voz de Lebo M.


Sobre o visual dos personagens, quando lançaram imagens do Scar, eu estranhei porque apesar de ser um leão com juba negra só com uma cicatriz no rosto (no filme de 1995), no live action fizeram dele um leão sem a juba negra mas coberto de cicatrizes (a principal, no olho, também está lá), e eu achei que isso afetaria a visão que eu teria dele, mas não. Gostei muito dessa mudança, porque agora o personagem ganhou um aspecto mais sombrio.
Alguns elementos continuam iguais ao filme original: as cenas de Mufasa e Simba, com o tema de Mufasa ao fundo com a mesma carga emocional:


Pumba e Timão continuam a aquela dupla impagável que faz todo mundo rir:


E Nala é a mesma leoa lindinha. Sobre o que mudou e ficou melhor: o aspecto mais sombrio de Scar, o lado mais “místico” de Rafiki, e deixaram um pouco de lado o lado cômico associado as hienas e as transformaram em personagens mais “malvadas”.


Com cenas de lutas muito bem feitas, uma fotografia perfeita sobre os céus e a vastidão da África, O Rei Leão é um dos melhores remakes de animações feitos até hoje.

Os crimes do monograma (Sophie Hannah) – DC 2019


Título: Os crimes do monograma
Autora: Sophie Hannah
Mês: Julho
Tema: Um livro ambientado nos anos 20
Editora Nova Fronteira, 286p.

O ano é 1929. Hercule Poirot está no seu restaurante costumeiro tomando um café quando uma moça entra afobada e com medo, dizendo que vai morrer em breve, recusando a ajuda de Poirot, pois afirma que com sua morte, a justiça estará sendo feita. Ao voltar para casa, Poirot descobre o último crime que seu amigo policial Edward Catchpool tem em mãos para solucionar: três pessoas foram mortas aparentemente da mesma forma e na mesma hora no mesmo hotel. Além dessas semelhanças, as vítimas também tem na boca um monograma com as iniciais PJI. Convencido de que as três mortes tem a ver com o súbito aparecimento da moça no restaurante, Poirot embarca no mistério do suicídio de um pastor e sua esposa em uma pequena cidade inglesa.

Esse foi um tema difícil demais de encontrar um livro que se encaixasse nele. Em pesquisas sobre livros escritos na década de 20, não era garantido de encontrar algum que retratasse algo na mesma época. Fui por pura eliminação, e dei sorte de encontrar alguns livros de Agatha Christie escritos nessa década, mas não era garantia de nada. Pesquisei mais e descobri uma autora que continuou (mais ou menos) o legado literário de Agatha Christie. Sophie Hannah obteve permissão da família da autora para escrever um novo romance com Hercule Poirot, o famoso detetive. 
E em 2013 foi lançado Os crimes do monograma. Até agora eu só li dois livros de Christie com o detetive, e mesmo conhecendo o personagem muito pouco, posso dizer que não fiquei decepcionada com a história de Hannah. Poirot está um pouco mais presunçoso, mas as características e elementos marcantes originais estão presentes. Gostei baste do livro e recomendo.

17 de jul. de 2019

O pequeno príncipe (Antoine de Saint-Exupéry) – DLS 2019


Título: O pequeno príncipe
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Mês: Julho
Tema: Um livro que foi considerado “modinha”
Editora Geração Editorial, 129p.

Sinopse: Livro de criança? Com certeza.
Livro de adulto também, pois todo homem traz dentro de si o menino que foi.
Como explicar a adoção deste livro por povos tão variados, em tantos países de todos os continentes? Como explicar que ele seja lido sempre por tanto milhões e milhões de pessoas? Como explicar a atualidade deste livro traduzido em oitenta línguas diferentes?
Como compreender que uma história aparentemente tão ingênua seja comovente para tantas pessoas?
O Pequeno Príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia a dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino.

— Os olhos são cegos. É preciso ver com o coração.

Um verdadeiro clássico, um dos livros que nunca vai sair de moda. Apesar de ser uma leitura de linguagem leve, apresenta várias questões filosóficas que podem ser complicadas para a mente infantil (mesmo que seja um livro classificado como tal). As ilustrações como sempre são muito lindas, e esta edição em questão foi a melhor de todas que vi até hoje porque traz um relato da vida de Saint-Exupéry, com fatos que eu, pessoalmente, desconhecia, e eu adoro livros desse tipo. Recomendadíssimo.