9 de dez. de 2019

Anne da ilha (Lucy Maud Montgomery) – DLL 2019


Título: Anne da ilha
Autora: Lucy Maud Montgomery
Mês: Dezembro
Tema: Do gênero clássico
Editora Pedrazul, 236p.

Anne não é mais aquela garotinha sardenta e fantasiosa que chegou em Green Gables anos atrás. Agora uma jovem mulher, ela decide completar seus estudos em Redmond College. Ela vai morar com Priscilla Grant em Kingsport depois de conseguir alugar sua “casa dos sonhos”. Gilbert Blythe não esqueceu a moça, pelo contrário, o rapaz tem plena certeza de seus sentimentos, e agora que também está indo para Kingsport, ele resolveu não desperdiçar nenhuma chance. Anne vive muitas situações inusitadas e acaba tendo que lidar com pedidos desastrosos de casamento, enquanto não consegue perceber o que realmente sente por Gilbert...

Todos os livros da coleção Anne de Avonlea são maravilhosos, e novamente a editora Pedrazul está de parabéns pela publicação deste clássico. A história é de uma simplicidade e encanta toda vez. Adorei que neste livro a história se foca mais em Anne, e graças a série Anne with an E, eu leio os livros sempre com a imagem da atriz na minha cabeça, o que confesso, dificulta um pouco, já que a partir de agora o que se vê é uma Anne mais adulta. De qualquer forma, não me impediu de saborear esta leitura. Gilbert está se firmando como um dos meus heróis literários favoritos, não tem como não se apaixonar por ele. Livro completamente indicado.

6 de dez. de 2019

Contos do esconderijo (Anne Frank) – DLL 2019


Título: Contos do esconderijo
Autora: Anne Frank
Mês: Dezembro
Tema: De autor que você ama
Editora BestBolso, 140p.

Sinopse: Anne Frank (1929-1945) nasceu na Alemanha. Aos quatro anos, foi obrigada a sair do país com sua família após a chegada de Adolf Hitler ao poder. Em 1942, o pai de Anne, Otto Frank, sua mulher e filhas unem-se a mais quatro pessoas e decidem se esconder dos invasores alemães. Por dois anos tiveram que viver limitados ao anexo do sótão do escritório de Otto Frank. No esconderijo, o diário era o único instrumento de liberdade de Anne; nele, relatou a vida no Anexo Secreto, as transformações e as angústias de cada um dos que ali residiam.
Organizada em 1982 e publicada de acordo com as instruções da Anne Frank Fonds, esta coletânea inclui textos originalmente excluídos de O diário de Anne Frank, e revela um pouco mais da jovem Anne. São relatos sobre o primeiro dia de aula, o primeiro beijo, o amor do pai, os sonhos de menina e o medo de ser denunciada e descoberta.

Esse livro é uma coletânea de fábulas, contos, histórias e ensaios escritos por Anne Frank. É impressionante como mesmo presa em um porão por anos, sem saber o que iria acontecer com ela e com sua família, ainda assim Anne conseguia falar sobre felicidade de uma maneira tão forte. Não importa quais os personagens de seus contos, se fantasiosos ou reais, as temáticas sempre envolviam caridade e amor. Eu li a edição vira-vira, que do outro lado é o famoso Diário de Anne Frank, mas como já tinha lido este livro, fiquei só nos contos mesmo. Indicado.

4 de dez. de 2019

Princesa de papel (Erin Watt) – DLL 2019


Título: Princesa de papel
Autora: Erin Watt
Mês: Dezembro
Tema: Que você achou que a história é ruim
Editora Essência, 368p.

Ella Harper sabe como sobreviver. Após uma infância louca mudando de lugar para lugar com a mãe instável, e após a mãe morrer de câncer, Ella agora está sozinha tentando se virar quando Callum Royal aparece em sua vida, oferecendo uma casa, dinheiro, educação e uma família. Callum era amigo do pai que Ella nunca conheceu e leva a jovem para sua casa, onde ela terá que conviver com os filhos de Callum e a constante certeza de que não é bem-vinda, até porque Reed Royal faz questão de demonstrar que não a quer por perto. Mas quando eles começam a se entender, Broke, a namorada de Callum, solta uma bomba na família que pode mudar tudo entre Ella e os Royals.

Como de costume, eu instintivamente obedeço a seu comando. É como se ele tomasse conta de mim e eu não tenho certeza se eu gosto. Mas eu sou impotente para detê-lo.

Ella começou a história de maneira promissora: forte, lidando com a morte da mãe, sem ter com quem contar, consegue se virar. Até o momento em que ela conhece Reed. Mesmo que eles não se dêem bem desde o início, o efeito do corpo dele e dos olhos azuis sobre ela são fortes, e depois que eles começam a se envolver, Ella fica de um jeito que não pode ver um físico masculino bonito que pára de pensar, não consegue mais falar. Ridículo. E muito repetitivo. Muito. DEMAIS. Isso foi o que mais me irritou nesse livro. E eu já tinha percebido que essa fórmula “garota forte que sobrevive a dificuldades/é a responsável no lugar da mãe maluca ou instável conhece um cara rico com pinta de bad boy, se apaixona e vira uma completa idiota” ficou comum depois de Crepúsculo (Bella era exatamente assim). Não sei se o problema é a temática ou se ainda não encontrei um autor que possa escrever uma história como essa de outra forma, só sei que sempre espero que a protagonista siga um novo caminho na história, mas isso nunca acontece. O pano de fundo com Broke foi a melhor parte porque saia da repetição e movimentava uma história que de outra forma, se prenderia nas confusões de rapazes adolescentes problemáticos. Vou continuar lendo somente porque quero ver como continua.

2 de dez. de 2019

Peter Pan (J.M. Barrie) – DLL 2019


Título: Peter Pan: a origem da lenda
Autor: J.M. Barrie
Mês: Dezembro
Tema: Que comprou pela capa
Editora Universo dos Livros, 96p.

Na Londres do início do século XX, Peter Pan é um menino que voou da janela de sua casa até os jardins de Kensington aos sete dias de vida e nunca mais envelheceu. Vivendo no meio dos pássaros e brincando nas árvores durante a noite, Peter criou a teoria de que as pessoas nascem como pássaros e que perdem a capacidade de voar com o tempo e se tornam bebês humanos. Nos jardins, ele convive com Salomão, um corvo que recebe as cartas das mães que querem ter filhos e os envia de acordo com as exigências descritas. Em sua cabeça, Peter foi uma das crianças enviadas pelo corvo, mas ele quis voltar para os jardins e deixou sua mãe. Ao voltar para ela, ele percebe que não tem mais lugar em sua antiga casa e então passa a viver definitivamente nos jardins.

Peter Pan sempre foi uma dos meus contos de fadas favoritos, então quando achei esse livro que falava exatamente de como o menino que não cresce surgiu, não perdi tempo. A leitura é rápida, pois a narrativa é fluida, com um tom infantil, o que pode ser um dos fatores (ironicamente) que podem tornar certos aspectos da história meio confusos, então precisa-se ler com atenção. Uma ressalva: não se ira encontrar os personagens clássicos como o Capitão Gancho ou Wendy. Essa história é o início do mito do menino que nunca cresce. Totalmente recomendada.

18 de nov. de 2019

Lendo o Brasil: PARÁ – A torre acima do véu (Roberta Spindler)

Uma névoa estranha e assassina tomou conta da superfície do planeta. As pessoas sufocam, a pele arde e logo as ruas e todos os lugares ficam atulhados de cadáveres. Até mesmo os animais são afetados. Somente as pessoas que moram ou conseguiram se refugiar nos arranha-céus sobreviveram a isso. Décadas depois, Becca é uma dessas sobreviventes, mora em Rio-Aires, cidade controlada pela Torre. Ela, seu pai e seu irmão fazem trabalhos tanto para a Torre quanto para contratantes independentes. Numa dessas missões, o irmão de Becca é dado como morto. Para resgatá-lo, a jovem vai contar com a ajuda de Leon e vai acabar descobrindo mais do que imaginava.


Desde que li Contos de Meigan, me apaixonei pela narrativa da Roberta Spindler, mas confesso que quando ela anunciou o lançamento dessa distopia, não fiquei ansiosa para ler, por dois motivos: 1- em toda distopia que eu já li, tem que acontecer alguma coisa no final para me fazer odiar a história; 2- nem todas conseguem prender atenção, algumas eu terminei só por terminar mesmo e não queria que isso acontecesse com um livro da Roberta. Mesmo assim, li... e adorei.
A história é muito bem construída, prende a atenção do início ao fim sem que se fique “olhando para os lados”. Eu só achei que o final deixou pontas soltas, foi o tipo de história que se sabe que não vai ter continuação, mas que deveria.

Editora Giz Editorial.
288 páginas.