19 de set de 2018

O conto da aia (Margaret Atwood) – BL 2018


Título: O conto da aia
Autora: Margaret Atwood
Mês: Setembro
Tema: Publicado na década do seu nascimento
Editora Rocco, 368p.

Em um futuro não tão distante, os EUA se tornaram uma ditadura religiosa cristã chamada Gilead. Depois de muitas guerras, um grupo de fundamentalistas tomou o poder e instaurou novas regras, sendo a principal: as mulheres perdem completamente seus direitos de escolha. Divididas entre as categorias de espoas, marthas, salvadoras, aias, etc, cada uma tem um papel específico. As aias, pois a história é contada do ponto de vista de uma delas, Offred (ou seja, de Fred, o nome do comandante, o marido e chefe de família que está abrigando a aia no momento) são as responsáveis por engravidarem. As esposas que não podem ter filhos empregam aias, engravidadas pelos seus maridos em um acontecimento chamado de Cerimônia, que darão a luz as crianças e depois serão mandadas para outro lugar. Em meio aos relatos de Offred, ela também insere flashbacks de sua vida de antes e do que ela um dia teve, de quem ela um dia amou.

Um homem é apenas a estratégia de uma mulher para fazer outras mulheres. [...] Mas há alguma coisa faltando neles, mesmo nos que são gentis e bons sujeitos. É como se estivessem permanentemente distraídos, como se não conseguissem se lembrar muito bem de quem são. Olham demais para o céu. Perdem o contato com os pés. Não se comparam a uma mulher, exceto pelo fato de que são melhores para consertar carros e jogar futebol, exatamente o que precisamos para o aperfeiçoamento da raça humana, certo?

Depois de ver tanta gente falando da série, eu quis o livro (não adiante, quando se trata de adaptação, eu sempre tento ler o livro antes). Não sei dizer qual dos dois materiais é o mais forte. Achei que vendo a cena da Cerimônia, consideraria a série mais repugnante. Mas na verdade, os dois matérias são, a sua própria maneira. O livro de Margaret Atwood é uma distopia diferente, em vários níveis, de qualquer outra distopia que eu já li, sua forma de escrita e narrativa me deixou, confesso, desnorteada. Somente quando terminei entendi o porquê disso.
A história joga na nossa cara verdades que as pessoas preferem não discutir ou mesmo tomar conhecimento, como o fato da nossa cultura patriarcal levar as mulheres a condenar, julgar e odiar a si mesmas, a justificar erros de homens enquanto culpabilizam mulheres (isso se reflete na cultura do estupro). Somos levadas a justificar através da religião a dominação masculina, a nos silenciar e nos invalidar. Deve ser por isso que a série alcançou tanto sucesso e ganhou prêmios valiosos. Uma história muito pertinente ao mundo atual em que vivemos, vale cada minuto da leitura.

A série


Depois de ler o livro, você sabe que o que acontece com June (ou Offred) não tem jeito, mesmo que a série comece de uma forma que leve a pensar que tudo vai ser diferente. Escolheram dar logo um fim em Luke (?), diferente do livro, onde se passa a leitura inteira tentando imaginar o que houve com ele. 
No livro, só descobrimos, e isso por hipóteses, o nome do Comandante no final, de uma forma inesperada, mas na série sabe-se logo de primeira, assim como a exigência de respeito que a Sra. Waterford exige, não exatamente por causa da figura que foi no passado mas aquele tipo de respeito que uma mulher deve a outro no que concerne a maridos. June foi mostrada de maneira diferente do que esperava, mas gostei dessa mudança. 
Enquanto no livro ela parece um pouco passiva demais (nem sei se estou usando a palavra correta para descrevê-la), na série sua aparência calma não demonstra seus pensamentos irônicos e revoltados, mas vemos que seu estado é de uma pessoa prestes a explodir que se controla por mera força de vontade.

Devotinha de merda.

O encontro de June e Moira depois de tudo acontecer também é diferente na série, e eu gostei de ver que algumas coisas eles resolveram mostrar sem usar meias palavras ou deixar a cargo da imaginação do observador (como no livro): o objetivo de toda a situação (as mulheres devem gerar as crianças dos casais fiéis), os castigos impostas aquelas que se recusavam a “cooperar”.
Outra personagem que me chamou atenção foi a Sra. Waterford, que despertou um pouco de pena (no primeiro episódio, somente, porque a personagem é odiosa, mesmo levando em conta a situação dela). No livro, percebe-se que as mulheres inférteis são totalmente pertencentes a esse sistema absurdo em que vivem, e que elas exigem o respeito da lealdade, não querem ser traídas por nenhuma “aia que resolva se engraçar com o patrão para ver se ganha alguma coisa”, mas é muito mais que isso. Pelo menos na série, pela patroa de Hannah (pelo menos no primeiro episódio), dá para ver algum sofrimento por não conseguir gerar uma criança.
Eu fiquei meio louca assistindo a primeira temporada dessa série, mesmo já tendo lido o livro e já sabendo de uma nova temporada, cada passo que June dava fora do programado me levava a pensar que a qualquer momento ela seria descoberta, pega e morta. Os abusos conseguem ser bem piores também. Outras coisas como a situação de Ofglen, o envolvimento entre June e Nick e a tolerância maior da Sra. Waterford para com June também foram coisas que tiveram mudanças, o que foi bom, porque eu já estava imaginando o que inventariam para que o livro fosse adaptado em duas temporadas. A mudança maior: Tya Lydia, que no livro parece uma pessoa obcecada com os preceitos religiosos que governam aquele lugar e que sim, pune aqueles que erram, mas na série a mulher é uma megera completa. Algo interessante é a quantidade de flashbacks da vida dos Waterford e como eles estavam envolvidos nos problemas iniciais, assim como as lembranças de Offred de sua vida como June e de que forma ela foi perdendo essa vida e sua segurança.

- A raça humana está em risco. O que importa é a eficiência.

- E o que propõe?

- Não é física quântica. Todas as mulheres férteis devem ser coletadas e engravidadas. Pelos de maior status, claro.
- Quer dizer, concubinas.
- Não me interessa como quer chamar.
- As esposas jamais aceitariam.
- Não é um problema.
- Não conseguiremos sem apoio delas, sabe disso.
-Talvez a esposa devesse estar presente. Para o ato. Não seria tanta violação. Há precedente bíblico.
- “Ato” talvez não seja o melhor nome. Em termos de marketing. A “Cerimônia”? Melhor. Bom e divino.
- As esposas aceitariam essa besteira.


A série rendeu uma segunda temporada que manteve o foco na aia e se distanciou do que é contado no livro, mas continuou mantendo o mesmo ritmo envolvente. De vez em quando, dentre os vários momentos em que você se pega odiando fazer parte da humanidade, eis que surge um sopro de esperança (episódio 06, "First blood", que o diga), fazendo da surpresa seu Ás na manga.

18 de set de 2018

Victoria e Abdul: o confidente da rainha (2017)

Abdul Karim (Ali Fazal) e Mohammed Buksh (Adeel Akhtar) chegam na Inglaterra vindos da Índia, para entregar uma moeda comemorativa na celebração do Jubileu dourado da rainha Victoria (Judi Dench, novamente). De alguma forma impressionada por ele, a rainha fez com que Abdul e seu amigo se tornem seus assistentes pessoais pelo resto das comemorações. A partir daí, sua vida muda completamente. Abdul se torna amigo da rainha, ensinando-a a falar urdu e acompanhando a rainha em viagens pela Europa. Mas tanta intimidade causa desconforto na corte, até mesmo por sua origem, já que Abdul era indiano, e por passar a usufruir de vários privilégios.


Mais um filme sobre a rainha Victoria e uma amizade com alguém que sua corte não aprovava. È muito engraçado como eles conseguem sempre retratar que a rainha, não é meramente uma mulher com um título real, mas sim quase uma propriedade que deve ser mandada a todo momento, mantida longe de qualquer contato mais “humano”, seguindo rígido código de quebras que, se quebrado, mesmo por ela, as consequências nunca são boas.
Beira o ridículo, por um lado, o quanto eles não se atrevem a questionar ou contradizer uma ordem dela ou um simples desejo, enquanto por outro eles a cercam e a mantem em uma redoma, fazendo de tudo para que ela não experimente nada novo.


A rainha Victoria já havia desenvolvido, anos antes, uma amizade forte por outro plebeu, Mr. Brown, fato que na época também não alegrou a corte nem um pouco. O mais legal sobre a história de Abdul é que, apesar do novo rei Edward ter mandado destruir todas as correspondências entre a mãe e Abdul, diários dele foram descobertos em 2010 e vieram a público.


O filme é muito bonito, tendo como pano de fundo a situação complicada entre o império britânico e a Índia, e isso fica explícito na falta de noção de Abdul, que não parece saber o momento de não falar, mostra um tipo de ingenuidade do súdito que idolatra o soberano e que, apesar do país estar sofrendo com a dominação britânica, ainda consegue achar que todos ao redor dele são sinceros quando sorriem, e na conduta de Mohammed, que cansou de tudo e quer ir embora. 

Abdul faz o que todos fazem. Ele... Ele quer um título. Ele é puxa-saco. Ele se arrasta para subir no mastro gorduroso e fedorento do maldito império britânico, fazendo todos vocês de idiotas porque ele é um serviçal. Um serviçal indiano muçulmano, e todos vocês estão borrando suas botas porque ele os está vencendo no seu próprio jogo. 

As paisagens são lindas, e o filme consegue ser até engraçado, durante as cenas em que as damas de companhia e serviçais da rainha espionam o que ela e Abdul conversam, alguns até expressando medo do idioma desconhecido ou do que a rainha pretende fazer e do que ela ordena que seja feito.

Abdul Karim e Mohammed Buksh

O final, para variar, não é o que se espera, porque se sabe que a rainha já é bem idosa quando conhece Abdul, então se imagina que podem mostrar sua morte, mas o que acontece com Abdul depois que ela falece é bem triste e até injusto. Enfim, eu só tenho elogios, não só pela atuação maravilha de Dame Judi, como pela história em si. Recomendo completamente.

14 de set de 2018

Her Majesty, Mrs. Brown (1997)

1861. O príncipe Albert, marido e grande amor da rainha Vitória, está morto, o que leva a soberana a um estado inconsolável de luto, evitando todos os compromissos, sociais e públicos. John Brown, fiel serviçal do falecido príncipe, torna-se o cavalariço da rainha e consegue trazê-la de volta a vida. O problema começa quando a amizade inesperada começa a despertar suspeitas e cria um escândalo na corte, cujos integrantes não aceitam que um escocês arrogante tenha tanta influência sobre a rainha.


Eu descobri esse filme enquanto pesquisava sobre o lançamento de outro filme sobre a Rainha Vitória (Victoria and Abdul, lançado ano passado). Que achado. De início, pensei que fosse um simples romance com variadas licenças históricas, mas depois de pesquisar, vi que Mr. Brown (ao qual o título se refere da mesma maneira ofensiva que os jornais da época usaram para designar a rainha, se considerarmos que Vitória permaneceu em luto pro resto da vida depois da morte do marido), realmente existiu. E a história desse amigo e da rainha é muito bonita.

A rainha Vitória e Mr. Brown (W & D Downey/Getty Images)

A morte do príncipe e a consequente reclusão da rainha fizeram com que sua popularidade diminuísse, assim como cresce o sentimento anti-monarquia no país. Tentando fazer com que a soberana se interessasse pelas suas obrigações novamente, Mr. Brown é chamado para a corte novamente. O fiel serviçal consegue tirar a rainha de seu estupor, apesar dela continuar se recusando a voltar ao trabalho. O primeiro-ministro Benjamin Disraeli (Antony Sher) resolve usar da influência de Brown e pede para que ele convença a monarca a voltar a realizar suas funções reais. Eles se desentendem e a relação azeda. Mesmo assim, Brown continua servindo a rainha até sua morte em 1833. Sua preocupação constante com a segurança de Vitória e seu jeito arrogante logo levam todos a desprezá-lo, incluindo a criadagem que antes via nele uma solução e agora passam a se ressentir de tanta influência sobre a monarca.


Não vi romance no filme, mas uma amizade forte entre ambos, uma ligação que fez a monarca sair de seu estado de apatia e voltar a se interessar pelos assuntos do reino. Dame Judi Dench está maravilhosa (e quando essa mulher NÃO está maravilhosa em um papel, eu me pergunto) como a rainha e Billy Connolly cativa como Mr. Brown, valendo cada indicação dos atores e do filme aos prêmios de cinema da época. Recomendado.

12 de set de 2018

A lâmina da assassina (Sarah J. Maas) – BL 2018


Título: Lâmina da assassina
Autora: Sarah J. Maas
Mês: Setembro
Tema: Um livro YA (young adult)
Editora Galera Record, 406p.

Em A Assassina e O Lorde Pirata, Celaena Sardothian já é uma renomada assassina. Prestes a fazer 17 anos, a protegida favorita do líder da guilda Arobynn é enviada com Sam, parceiro que ela não suporta, para as Ilhas Mortas. Achando que iria se vingar pela morte dos quatro membros da guilda por piratas, ela se vê comerciando escravos, pois era esse o negócio de Arobynn com o capitão Rolfe. Sem estar disposta a aceitar isso, ela trama para que os escravos fujam e sem querer, começa a trilhar um caminho que irá mudar sua vida. 
A Assassina e A Curandeira narra o início da viagem de punição de Celaena por ter feito Arobynn perder um rico negócio. Enquanto se hospeda em uma estalagem e conhece Yrene Towers, a jovem que trabalha nesse lugar desprezível e a ajuda a sair de problemas.
No conto A Assassina e O Deserto, Celaena continua sua viagem em busca do Mestre Mudo e dos Assassinos Silenciosos, com quem ela deve voltar a ser aprendiz para que Arobynn aceite-a novamente na guilda. Quando finalmente a jovem acha que encontrou uma amiga e um senso de pertencimento, tudo vira de cabeça para baixo por motivos além do alcance de Celaena de evitar.
Em A Assassina e O Submundo, Celaena está de volta pronta para enfrentar Arobynn e se desligar da guilda. Mas os pedidos de desculpa e seus presentes apelam para a jovem. Ela aceita um novo trabalho: matar o responsável pela construção de uma estrada que exigirá um comércio de escravos muito ativo. Sem disposição para ver isso acontecer, ela planeja e executa o ato, descobrindo mais tarde que foi usada e qual era o nível da falsidade de seu antigo protetor.
A Assassina e o Império mostra Celaena e Sam já juntos, livres da guilda e prontos para recomeçar em outro lugar. Mas Arobynn não vai facilitar a vida do casal. Ao aceitar um trabalho para que enfim possam se desligar da guilda para sempre, Sam e Celaena caem numa armadilha cruel e a jovem, que pensa estar tomando as rédeas de sua vida, se vê frente a frente com um destino cruel: passar o resto dos dias como escrava nas minas de sal.

Que. Livro! Completamente diferente do que eu esperava, até porque eu imaginava que as histórias seriam intermediárias aos livros já lançados, depois que notei que ele falaria da vida de Celaena desde o início. Li em uma tarde de domingo porque não conseguia parar. Como cada um dos contos narravam acontecimentos quase imediatamente aos outros, foi difícil largar, principalmente porque eu queria ver onde iria dar o chove-não-molha entre ela e Sam. Os momentos entre eles são muito bonitos, mas fiquei desesperada porque já sabia onde tudo aquilo ia dar, considerando o primeiro livro da série. 
Confesso que me irritou várias vezes a impetuosidade de Celaena, que parecia uma coisa boa, como no caso da libertação dos escravos, mas na maioria das vezes se tornava prejudicial (o aviso, O MALDITO AVISO da armadilha preparada que ela sequer deixou o informante terminar!). E eu ficava esperando a cada topada que ela percebesse e aprendesse, mas não. E eu só tinha vontade de gritar! O último conto, o mais intenso de todos, me levou a duvidar mais uma vez das reais intenções de Arobynn até aquele parágrafo final (O QUE FOI AQUILO PELOAMOR!!!). Esse livro foi outra maravilhosa surpresa que esclarece muito da vida de Celaena. Recomendo.

11 de set de 2018

Adeus Christopher Robin (2017)


É o menino mais sortudo do mundo, pois conhece Winnie the Pooh.

No início dos anos 20, o escritor Alan Milne (Domhnall Gleeson) acaba de voltar da luta durante a Primeira Guerra Mundial, traumatizado pelo que testemunhou. Preocupado com o futuro do país, ele decide escrever algo que pudesse alertar as pessoas para que nunca mais ocorresse nenhuma guerra, mas ele simplesmente não tem forças para isso.

E se todos nós, todas as nações, nos uníssemos e decidíssemos que quando houvesse um conflito, uma disputa, a guerra não seria a forma de resolver.

Quando sua esposa Daphne (Margot Robbie) engravida e o bebê nasce, nenhum dos dois se mostra apto a manter uma relação pessoal com o filho. Para isso, eles contratam uma babá, Olive (Kelly Macdonald), com quem Christopher Robin ou Billy Moon para os mais próximos (Will Tilston) cria um forte laço.


A família agora vive no campo, onde Alan espera encontrar sossego e Daphne espera que o marido encontre inspiração para seu trabalho. Quando Alan e Billy praticamente são forçados a passar tempo juntos, a relação entre pai e filho se estreia, e a partir desse convívio, surge a história do ursinho Pooh e seus amigos.


Winnie the pooh se torna um livro muito conhecido e celebrado, e Christopher Robin também, mas aos 9 anos de idade, ele não sabe lidar com a fama que só faz crescer. A babá é a única que percebe o que os pais de Billy estão fazendo, mas ela vai embora e Billy vai para um colégio interno, onde obviamente, os alunos o atormentam. Crescido, ele decide lutar na Segunda Guerra Mundial, e é nessa despedida entre pai e filho que vemos o quanto Christopher sabia que sua infância havia sido perturbada pela fama e reconhecimento e de que forma o seu relacionamento com seu pai, antes tão bom e feliz, havia sido prejudicado.


Aqueles dias, quando estávamos só nós dois… foram os dias mais felizes que já vivi.

Eu nunca me toquei de ir procurar sobre a história do ursinho Pooh, acho que porque nunca foi meu personagem favorito. Eu gosto de muitos filmes e personagens da Disney, mas Pooh e sua turma nunca entraram na minha lista de favoritos. Então, foi uma surpresa descobrir esse filme (lançado ano passado, que não chegou aqui). Comprei o livro Goodbye Christopher Robin na esperança de ler antes de ver o filme, mas não deu muito certo.

O urso acabou com a minha vida.

Nas minhas pesquisas, encontrei livros sobre Christopher e sobre o urso real que deu o nome ao bichinho de pelúcia de Christopher, mas como ainda não sabia muito sobre a verdadeira história do menino, o filme me ajudou a entender melhor o porquê de Billy não gostar da fama e ter começado a detestar o urso.
A história traz questões bastante atuais, como a mulher que engravida para alegrar o marido, mas fica traumatizada com o parto e deixa a criação do filho para a babá (o que leva a alguns pequenos confrontos entre mãe e babá, que é julgada por ser paga para fazer o menino feliz, mas na visão da mãe, não faz isso); como pais que transformam os filhos em celebridades sem ajudar a criança a lidar com a fama, e mais importante, sem deixar os filhos serem crianças.

Sãos as coisas mais lindas do filme as ilustrações de E.H. Shepard para um dos livros do urso Pooh.


O filme é como esperado: simples, comovente, repleto de bonitas paisagens do interior da Inglaterra. Completamente recomendado.