15 de set de 2017

Girls day out (Anna Banks) – 52 Weeks Project 201


Título: Girls day out
Autora: Anna Banks
Mês: Setembro
Editora Feiwel & Friend, 32p.

Emma está passando o dia com a irmã de Galen, Rayna. Na verdade, dando uma de babá, na tentativa de manter uma relação cordial com a jovem syrena. Mas as maluquices de Rayna e o achado de uma boneca levam as duas a se meterem em confusão. 

Um pequeno conto que acrescenta ao que os leitores da série Poseidon já conhecem sobre Rayna e Emma. Foi uma leitura bem rápida, minha única ressalva é que os contos anteriores aprofundaram mais na historia dos personagens, diferente deste, que foi mais para divertir do que outra coisa.

13 de set de 2017

Princesa das águas (Paula Pimenta) – DL L&T 2017


Título: Princesa das águas
Autora: Paula Pimenta
Mês: Setembro
Tema: Nacional
Editora Galera Record, 368p.

Arielle é uma das grandes promessas da natação brasileira para as Olimpíadas de 2016. Filha caçula de uma cantora famosa que morreu no parto e de um ex-nadador famoso, ela decidiu optar pela carreira do pai ao invés de fazer parte da banda composta por suas irmãs. Apesar de gostar muito de nadar, Arielle sente falta de viver uma vida comum onde possa sair para beber e se divertir, coisa que se torna impossível com a imprensa atrás dela o tempo todo pronta para julgar seus passos. Mesmo com esses impedimentos e a constante cobrança de seu pai e seu treinador, Arielle resolve escapar para ir a uma festa onde estarão vários atletas. Lá, ela acaba salvando a vida do cara mais lindo que ela já viu na vida e mesmo sem saber quem ele é, se apaixona perdidamente.
Só que o cara que quase se afogou não é ninguém menos do que o favorito do tênis suíço, Erico. Só que ele não sabe quem é a garota misteriosa que o salvou e mesmo com seus apelos na imprensa para que ela fale com ele, Arielle fica com medo e resolve se focar nos treinos. Quando é anunciada uma gincana com várias atividades para que os atletas participem, Arielle se vê envolvida na maior confusão ao tentar chegar perto de Erico. Mesmo sem poder falar perto dele, a atração entre os dois só cresce, mas a jovem vai descobrir que a ajuda que vem recebendo, na verdade, só quer prejudicar seu romance...

Esse livro é maravilhoso, como os outros da série. A história consegue cativar desde o início, e confesso que o fato de eu saber que seria uma nova versão da história de Ariel, só percebi que a história seguiria o mesmo enredo quando vi o nome do príncipe encantado de Arielle: Erico (nem o treinador se chamando Sebastião fez eu me tocar). A leitura é bem leve e divertida, e eu gostei do pano de fundo serem os jogos olímpicos (do ano passado). Os posts no blog de uma das personagens e as mensagens de celular dão um toque mais dinâmico a história. Livr excelente, completamente recomendado.

11 de set de 2017

Jogando xadrez com os anjos (Fabiane Ribeiro) – IDY 2017


Título: Jogando xadrez com os anjos
Autora: Fabiane Ribeiro
Mês: Setembro
Tema: Autor brasileiro
Editora Universo dos Livros, 400p.

Na Inglaterra de 1947, a Europa está se recompondo de uma guerra devastadora. Anny só vê os pais nos sábados, quando eles voltam para casa depois de uma semana de trabalho. No entanto, em um desses dias, em que ela os espera até tarde, eles chegam com uma notícia que acaba com a alegria da menina: agora, seus pais só a verão uma vez por ano, pois o trabalho deles exige agora que eles se afastem mais de casa. Assim, a menina passará a viver com Jane, sua professora, e o marido Hermes. Mal ela sabe a diferença que ocorrerá em sua vida, pois Jane se mostra uma verdadeira carrasca, obrigando Anny a cuidar da casa, a dormir em um quartinho nada confortável e a viver escondida. Como companhia, a menina só tem sua ovelhinha de pelúcia e o jogo de xadrez que ganhou do pai, e passa por situações que nenhuma criança deveria passar. No entanto, seu bom coração e sua qualidade única de ser feliz não importa o que aconteça a ajuda a atravessar todos os momentos difíceis com a serenidade que somente um anjo poderia possuir.

Estava para fazer a resenha desse livro faz um tempão. Com mais uma de suas histórias tocantes, Fabiane Ribeiro (quem parece que adquiriu a capacidade de me fazer chorar como um bebê) nos ensina, através de sua pequena protagonista, lições valiosas. Em alguns momentos fiquei revoltada com essa história, tive muita vontade de matar a odiosa Jane e fiquei apavorada pela menina (tive que ler o final do livro para saber se existiria alguma espécie de final feliz, já que tudo rumava para a pior). Esta edição da Universo dos Livros é aquela com a capa mais bonita e que, a meu ver, tem mais a ver com a história (essa é a segunda edição, o livro já tem uma terceira). Recomendo esse livro para todos que gostem de uma história bonita com preciosas lições de vida.

8 de set de 2017

Of Triton (Amanda Hocking) – 52 Weeks Project 2017


Título: Of Triton
Autora: Amanda Hocking
Mês: Setembro
Editora Square Fish, 304p.

A verdadeira identidade de Nalia, mãe de Emma, vem a tona quando Galen junta as peças do quebra-cabeça que foi o mistério do desaparecimento da princesa Poseidon há tantos anos atrás. Emma surta com essa descoberta, e tudo fica pior porque ela tem consciência de que sua condição de mestiça a torna uma aberração tanto no mundo humano quanto no mundo das syrenas. Pior: a lei syrena diz que os mestiços devem ser condenados a morte. Sua mãe aparecer novamente para os syrenas faz com que os reinos de Poseidon e Tritão comecem a lutar uns contra os outros. Isso leva Emma a não saber o que escolher fazer.

Eu gostei muito do jeito que terminou o primeiro livro dessa série, e fiquei muito curiosa para ver no que ia dar a descoberta da princesa perdida. A continuação não me decepcionou. O que mais gostei foi o fato de Naila se revelar para os syrenas, foi a partir daí que a história me prendeu, porque as crises de identidade de Emma estavam me irritando. Recomendo.

6 de set de 2017

A garota dinamarquesa (David Ebershoff) – IDY 2017


Título: A garota dinamarquesa
Autor: David Ebershoff
Mês: Setembro
Tema: Livro que virou filme
Editora: Fábrica231, 363p.

Elinar e Greta são ambos pintores. Em uma tarde, porque sua modelo faltou e Greta precisava continuar seu trabalho, ela pergunta ao marido se ele poderia colocar as meias e os sapatos da moça. Ele aceita e ela continua seu trabalho. O que Greta não imaginava era que isso iria despertar alguma coisa em Elinar. E assim nasce Lily, com quem Greta gosta de conviver e a modelo que ela passa a retratar cada vez mais em suas pinturas (com as quais ela alcança um relativo sucesso). O tempo vai passando, Lily aparece cada vez mais enquanto Elinar vai desaparecendo, e ambos percebem que uma escolha decisiva terá que ser feita.

Eu vi o filme baseado nesse livro porque fiquei curiosa, porque gosto do Eddie Redmayne e estava torcendo para ele levar o Oscar do ano em que o filme foi indicado, e porque ele retrata a vida de dois pintores (arte é um assunto que me fascina). Aí fui procurar mais sobre a vida de Lily Elba na internet por simples curiosidade. Então, quando vi o livro em um sebo, tive que comprar. O autor fala que a história que ele narra é uma visão romantizada da vida de Lily, mesmo que ele tenha se baseado nos fatos reais da vida dela, mas isso em nada diminui a forma como a história prende a atenção. E gostei mais do livro do que do filme, porque o autor fala mais sobre a vida de Greta antes de se casar com Elinar. Não lembro se no filme eles explicam como no livro, mas eu gostei de entender os motivos dos sangramentos misteriosos de Elinar. Como um todo, o livro é ótimo, consegue tocar o leitor. Foi bom ver como se tratava a questão da transsexualidade, muito discutida hoje, justamente numa época em que o mundo passava por tantas mudanças. Eu sempre acho maravilhoso ver esse tipo de discussão inserida nesses momentos históricos, dá a impressão de que a leitura vem bem a calhar para o momento que estamos vivendo. Livro completamente recomendado.

4 de set de 2017

O dragão de gelo (George R.R. Martin) – IDY 2017


Título: O dragão de gelo
Autor: George R.R. Martin
Mês: Setembro
Tema: Dragões na capa
Editora Leya, 128p.

Adara é uma criança do inverno. Ela nasceu em um dos piores que se lembra, cujo frio intenso levou sua mãe logo depois que ela nasceu. Uma garotinha que não chora e cujos sentimentos são bastante internos, Adara entende, aos 7 anos, o que significa ser uma criança do inverno depois de ouvir uma conversa entre seu pai e tio Hal, em uma de suas visitas. Enquanto no verão ela não conseguia achar divertimento algum, no inverno a menina se enchia de alegria, pois era nessa época que ela podia passar tempo com o dragão de gelo, animal que todos consideram lenda. Mal sabem eles que Adara e seu amigo terão um papel fundamental na guerra contra os cavaleiros de dragão que vem avançando pelo reino.

Como acontece com a maioria dos meus livros, eu comprei esse pra ficar na estante, esperando a sua hora. Depois de ler todos os livros das Crônicas de Gelo e Fogo para poder finalmente entender as discussões dos fãs sobre a série, resolvi guardar esse porque, não dá para negar, os livros do Martin são envolventes. E mesmo que O dragão de gelo não tenha nada a ver com as Crônicas (apesar dos tais spoilers de que a próxima temporada vai trazer o rei do inverno montado em um dos dragões de Daenerys transformado em dragão de gelo), eu quis esperar para ler. O livro é uma dessas pequenas perfeições que de vez em quando temos em mãos, sabem, quando acertam na diagramação, nas ilustrações (vejam o portfólio do artista, Luis Royo), na capa, em tudo combinando e fazendo jus a história. Além disso, esse pequeno conto ensina várias lições de vida. Adoro como Martin sabe fazer analogias entre verão, inverno e sentimentos. O que torna a história baste forte é que tudo é narrado da perspectiva de Adara.

1 de set de 2017

Canção do mar (Amanda Hocking) – 52 Weeks Project 2017


Título: Canção do mar
Autora: Amanda Hocking
Mês: Setembro
Editora Planeta, 206p.

Gemma está sumida. Harper inventa uma desculpa para o pai, apesar de saber a verdade: a irmã foi embora com Penn, Lexi e Thea, três lindas e misteriosas garotas que surgiram na sua cidade. Junto com Alex, namorado de Gemma, e Daniel, eles se juntam para descobrir maneiras de destruir as sirenas e libertar Gemma. Enquanto isso, a jovem se recusa a usar seus poderes para fazer o que quer que seja contra qualquer pessoa. Gemma não tem interesse nenhum em se transformar num monstro que se alimenta de humanos, mas se ela não fizer isso, acabará morrendo e as outras também morrerão. Penn não está disposta a deixar isso acontecer, então mantem vigilância sobre a jovem. Até que Gemma acaba lidando com o seu lado mais obscuro, e isso faz com que a irmã descubra onde ela está. De volta em casa, Gemma começa a temer seu reencontro com as três sirenas, ao mesmo tempo em que percebe que terá que se afastar das pessoas com quem mais se importa no mundo para evitar que uma tragédia maior ocorra.

Faz muito tempo mesmo que eu li o primeiro livro dessa série, então fiquei com medo de não lembrar mais nada. Ainda bem que não foi o caso, a leitura fluiu muito porque enquanto eu lia, parecia que os acontecimentos de Despertar estavam ali na minha frente, nas páginas, novamente. Li em um dia porque o livro é pequeno, e eu fiquei desesperada me perguntando o que as sirenas fariam quando descobrissem a fuga de Emma (eu só larguei o livro quando cheguei nessa parte). Como o final desse livro não foi bem o que eu esperava, quero muito ler o terceiro. Recomendo.

25 de ago de 2017

Mil mágicas (Diana Wynne Jones) – 52 Weeks Project 2017


Título: Mil mágicas
Autora: Diana Wynne Jones
Mês: Agosto
Editora Geração Editorial, 168p.

Um feiticeiro ao volante conta a história do Feiticeiro Feliz, um azarado de nascença que perdeu seus poderes quando Crestomanci os tomou dele. A situação complicou porque os poderes também eram seu ganha pão. Quando um policial o flagra tentando arrombar a porta de um carro, ele foge ee vai pedir ajuda de uma bruxa sua amiga, que oferece uma nova vida em outro mundo onde ele poderia ter seus poderes de volta. Só que as coisas não acontecem exatamente como ele queria...
Em O ladrão de Almas, Eric Gato Chant não está muito feliz com a chegada de Antonio Montana, um menino italiano que despertou o interesse de todos na casa. Apesar de chamar a atenção de todos, Tonino não parece muito mais feliz do que quando chegou, e quando Janet, Roger e Júlia ficam doentes, Eric é quem sobra para fazer companhia para Tonino.
O centésimo sonho de Carol Oneir conta a a história de Carol, uma menina que vende sonhos, ela tem a capacidade de sonhar o que quiser. Só que uma noite isso não acontece. Sem que alguém consiga explicar o por quê disso, seus pais agora só esperam que Crestomanci possa ajudá-la.
Em O filósofo de Theare, alguns deuses acabam por se destruirem na tentativa de se protegerem de uma profecia. Eles sabem que profecias se cumprem e tentam acabar com ela, mas tudo dá errado, e o mundo continua a se dividir em dois.

Um livro pequeno que eu nem demorei para ler. Comecei meio devagar, mas a partir do segundo conto, já estava mais entusiasmada. Gostei por que o livro não trouxe personagens já conhecidos, somente, mas alguns novos. Recomendo.

21 de ago de 2017

O pequeno lorde (Frances Hodgson Burnett) – DL L&T 2017


Título: O pequeno lorde
Autora: Frances Hodgson Burnett
Mês: Agosto
Tema: Clássico
Editora 34, 203p.

Cedric vive com sua mãe em uma modesta casa nos Estados Unidos. Uma criança alegre e de bom coração, que contagia todos a sua volta com seu carisma e carinho. Um dia, ele descobre que deve ir morar na Inglaterra, pois é o último herdeiro de seu avô, um nobre cujos filhos (incluindo o pai de Cedric) estão mortos. O menino, agora Lorde Fauntleroy, estranha a situação, principalmente porque o seu melhor amigo, um vendedor de frutas, não tem muito amor por nobres e seus costumes estranhos. Mas Cedric logo fica alegre, pois descobre que pode ajudar muitas pessoas ao seu redor. E é exatamente o que ele faz antes de viajar. Já na Inglaterra, seu primeiro contato com o seu avô faz o velho ranzinza e egoísta gostar do que vê no neto, e a convivência entre eles transforma o homem a tal ponto que ele começa a realmente se importar com as pessoas abaixo de seu nível social. Cedric continua encantado a todos em sua volta e a vida está em paz, até que uma mulher aparece afirmando que seu filho é quem deve herdar a herança de Cedric devido à questão da primogenitura. Mas nada esmorece o coração do pequeno menino e as coisas se resolvem do jeito que devem.

Eu não sei porque estava com tanto pé atrás com esse livro. A autora é a mesma de O jardim secreto e A princesinha (do primeiro, eu já li o livro e vi o filme, do segundo, só vi o filme), então sei que tipo de histórias a autora escreve. Comecei sem grandes pretensões, o que foi bom, porque a autora de novo me surpreendeu. Sem dramas e sem rodeios, Frances Hodgson Burnett nos apresenta um pequeno personagem muito carismático e encantador. As mudanças que os outros personagens sofrem na história por causa do protagonista é uma coisa tão bonita de se ver, além de que o cenário, que mostra as paisagens rurais da Inglaterra, me fez lembrar muito de Downton Abbey, uma série que eu amo de paixão. Eu também sempre acho divertido, seja em filmes ou livros, a forma como os autores colocam um romance entre uma americana e um inglês. Sempre, sempre a coisa nunca é vista com bons olhos, a família do homem (porque ele tem que ser um nobre) sempre renega a esposa. Não sei se isso só passou a ser mal visto depois que o herdeiro ao trono inglês, Edward VIII, abdicou porque preferiu viver com a mulher por quem se apaixonou, Wallis Simpson. De qualquer forma, essa é uma temática que eu gosto de ver sendo explorada, e no livro é interessante como a autora coloca que o fruto de um casamento inglês-americano acaba sendo a salvação de uma família nobre, além das próprias lições de vida que podemos tirar do início ao fim. Amei de paixão essa história, já virou uma das favoritas ❤

18 de ago de 2017

Peixe grande (Daniel Wallace) – 52 Weeks Project 2017


Título: Peixe grande: uma fábula do amor entre pai e filho
Autor: Daniel Wallace
Mês: Agosto
Editora Rocco, 183p.

Sinopse: No dia em que Edward Bloom nasceu, uma nuvem carregada de raios, que queimavam a copa das árvores e ameaçavam fazer o mesmo com a cabeleira dos homens mais altos, trouxe a chuva que pôs fim à mais severa seca da história do estado do Alabama. Em seu aniversário de nove anos, ele se deparou com um homem congelado dentro de um imenso bloco de gelo, no caminho para o primeiro dia de escola. Mais tarde, já adolescente, derrotou com uma boa conversa um eremita gigante que morava numa caverna nas montanhas e devorava tudo o que via pela frente. É nesse clima de fantasia que Daniel Wallace dá forma a Peixe grande? Uma fábula do amor entre pai e filho, romance que ganhou às telas de cinema na adaptação de Tim Burton, com Albert Finney e Ewan McGregor dividindo o papel principal.
Peixe grande conta a história de Edward Bloom, um garoto do sul profundo americano que nasceu para ser peixe grande. O livro é montado sobre episódios cronologicamente ordenados que narram a vida de Bloom. Seu nascimento, suas aventuras de infância, a passagem para a vida adulta, a descoberta do amor, o nascimento do filho etc... E é justamente o filho, que tantas e tantas vezes ouviu o pai contar as aventuras de sua vida, o narrador do livro.
Costurando os episódios fantásticos que cobrem a vida de Edward Bloom, está a triste realidade de sua morte, que, sabiamente, foge da ordem cronológica para entremear toda a narrativa. É nessas horas que o filho/narrador assume também a função de diretor de cinema para, como numa filmagem, tentar alternativas diferentes de narrar o que será o último encontro entre pai e filho. Como quase sempre ocorre num set de filmagem, dificilmente a primeira tomada satisfaz.
Em Peixe grande, a morte de Edward Bloom é narrada em cinco diferentes takes. Embora a mecânica da cena varie em detalhes, nas quatro primeiras, o rio de lágrimas que costuma marcar esse tipo de desenlace na ficção é substituído por um alívio cômico no instante final. Menos na última. Mas, nem mesmo nesta, em que o realismo parece ser mais marcante, o autor cede à solução fácil. No lugar de um rio de lágrimas, ainda mais caudalosa, está a irresistível correnteza da fantasia.

Eu vi esse livro num sebo e fiquei curiosa, principalmente porque eu já havia visto o filme. No início, eu arrastei muito a leitura, quase desisti, mas depois que peguei o embalo, não larguei mais. O livro é dividido em quatro partes, a morte de Edward Bloom é narrada em cada uma delas e isso me confundiu um pouco. Quando chega no fim do livro, fica-se com um sensação de encantamento, por um filho inconformado com as histórias do pai, que ele acha que são pura invenção, enquanto o pai afirma até o fim que tudo é verdade. O mais tocante é o fato do pai estar em seu leito de morte e isso, mesmo quase sendo uma sombra em uma história que tinha tudo para ser infantil, acaba dando um toque mais suave, pois é através das histórias que o pai conta que o filho vai aprender a conhecê-lo mais antes do derradeiro fim. Um livro muito fofo e emocionante.