17 de fev de 2013

Modern heroines: Hermione, Bella & Katniss (Femnista) IV

Uma análise das heroínas literárias atuais. Não concordo muito com o fato de Bella aparecer, prefiria Lyra ou outra, mas a análise da personagem é pertinente. Também gostaria que a autora tivesse falado mais sobre Katniss. Publicado na edição de Maio-Junho de 2012, época do lançamento de Jogos Vorazes.

Heroínas modernas: Hermione, Bella e Katniss (Modern heroines: Hermione, Bella & Katniss)
Autora (Author): Charity Bishop.

As mulheres na ficção têm mudado de acordo com o tempo para refletir a sociedade. Nos tempos modernos, nossas heroínas refletem três aspectos diferentes de feminilidade: Hermione é intelectual, Bella é a dona de casa e Katniss é a guerreira.
A escritora mais proeminente de ficção é J.K. Rowling. Seus livros apresentam uma variedade única de mulheres. Enquanto o personagem principal é masculino, o foco sublinhado está na maternidade, na figura de Lily Potter, Molly Weasley, Narcisa Malfoy e Ninfadora Tonks. A professora McGonagall também assume um papel maternal para os estudantes de Hogwarts.
Dentre as mais jovens heroínas estão as maiores mulheres literárias: Gina é esperta e engraçada, Luna é extravagante e peculiar e Hermione é racional e inteligente. Ela é uma devoradora de livros, a queridinha dos professores, a garota que Rony e Harry não querem como amiga até um acidente com um troll mudar sua opinião. Hermione se inteira de tudo muito rápido, aparece com as soluções para a maioria dos problemas, é teimosa, leal e não tem medo de ser vista como inteligente.
As mulheres de Rowling são diferentes entre si, mas igualmente fortes de suas próprias maneiras. Romance não é seu objetivo principal, nem seu maior sucesso. É diferente da série de Stephenie Meyer, Crepúsculo. Ela também explora o tema da maternidade. Bella não está interessada em casamento (graças ao divórcio dos pais) ou em filhos no começo, mas quando engravida durante sua lua de mel, ela logo descobre o quanto quer ser mãe. Ela decide ter o filho mesmo que sua saúde corra perigo. Através desta escolha, pelo menos nós começamos a entender Rosalie, que tem tratado Bella mal até agora. Rosalie não queria se tornar vampira porque significaria abrir mão do que ela mais queria: ser mãe. O filho de Bella as torna aliadas.
Bella é controversa, uma vez que ela conflita com a heroína moderna usual em seus status de dona de casa; ela é feliz cozinhando para seu pai e sua ambição é passar o resto da vida com o homem que ama. Isso é suficiente para satisfazê-la; ela não pede mais nada. Eventualmente, ela deixa de lado seu feminismo e partilha das idéias antiquadas e fora de moda de Edward. Isso mostra uma definição mais bíblica de feminilidade (submissa, mas não fraca) que muita ficção, assim como reflete o profundo anseio interior de muitos corações femininos de serem amados, estimados, cuidados. Bella é feminina, mas não é fraca; ela erra e paga por seus erros, mas no final, muito parecido com Hermione, ela encontra a felicidade em ser mãe e esposa.
No mundo de Meyer, o amor é a força motora da vida. Ele junta Edward e Bella e acalma o desejo por sangue. Esta abordagem é diferente da de Rowling; enquanto ela criou fortes personagens e as fez mulheres, Meyer criou primeiro as mulheres e só então lhes deu força. Alice é formidável, mas adora fazer compras. Bella arrisca a vida por seus amigos, mas fica feliz em cozinhar para eles.
Em um mundo onde nos é dito que ser feminista significa abrir mão de ser mãe, e não fazem distinção entre homens e mulheres, não é surpresa que jovens leitores gostem de uma série onde a heroína possa ser “somente uma garota”. A sociedade nos diz que não é suficiente ser esposa e mãe, mas que nós devemos ter aspirações maiores. Isso deixa aquelas que querem ser mães e esposas sentindo como se seus sonhos fossem menos importantes que aquelas que querem uma carreira ao invés da primeira opção.
Em contraste com Bella e Hermione, está a heroína de Jogos Vorazes, Katniss. A garota com jeito de menino que caça como meio de alimentação, ela assumiu o papel de protetora da família na ausência do pai. Ela não tem interesse em romance e tem que matar para garantir a própria sobrevivência. Katniss tem um instinto básico de maternidade; o que faz com que ela cuide de sua irmã e de Rue. Ainda que sua reação primária deva ser se defender e proteger, ela deixa de lado seus sentimentos pessoais para fazer o que tem que ser feito. Ela é a mais “não feminina” das heroínas modernas simplesmente porque as circunstâncias a forçaram a assumir um papel masculino, mas isso não significa que ela não seja uma garota, que não ame os lindos vestidos que lhe são dados, ou secretamente não deseje se sentir segura. Ela abandona seus sentimentos porque deve fazer isso; ela não poderia sobreviver se não calasse seus instintos femininos básicos. Não significa que ela não os tenha, só significa que ela não pode deixá-los assumir o controle.
Katniss é uma força solitária contra o mundo. Ela não expressa muito seus pensamentos ou nos deixa entrar em sua mente. Ela é um ícone feminista moderno ideal. Ela não precisa de um homem em sua vida (ela fica bem com ou sem eles); de fato, ela pode tomar conta de si mesma e dos outros. Ela é inteligente e habilidosa, engenhosa e muitas vezes impiedosa, mas ainda tem um senso de compaixão. Nos Jogos Vorazes, o típico papel de gênero que nós esperamos ver é invertido: a garota é fria, emocionalmente limitada e não hesita em matar para comer ou sobreviver. Ela assumiu o lugar do pai como cabeça da família; o garoto (Peeta) é caloroso, sentimental, generoso e romântico. A procura dele por ela é tímida e insegura, mas ele está pronto para esperar.
Estas heroínas modernas atraem grupos de leitores totalmente diferentes. Para as garotas que querem ser mães e esposas, Bella lhes dá orgulho pelos seus sonhos e honra o papel de dona de casa como uma busca que vale a pena. Para devoradoras de livros queridinhas dos professores, Hermione mostra ser bom ser esperta e nos assegura que mesmo a sabe-tudo pode ter um final feliz. Para aquelas que sentem como se estivessem confrontadas pelo mundo, e devem dar seu jeito, e estão felizes em resistir aos papéis convencionais de gênero, Katniss as inspira a continuar lutando, a serem fortes e sonharem com coisas melhores.
Cada heroína diz muito sobre o que as autoras valorizam e aspiram, mas nossa reação também revela a verdade sobre nós. Quem é sua favorita? Por quê? O que ela diz sobre suas ambições, emoções e desejos mais profundos?

Nenhum comentário:

Postar um comentário