26 de fev de 2016

De repente, Ana (Marina Carvalho) – DL L&T 2016


Título: De repente, Ana
Autora: Marina Carvalho
Mês: Fevereiro
Tema: Chick-lit
Editora Novo Conceito, 317p.

Ana agora vive na Krósvia. Formada em direito, seu namoro com Alex vai de vento em popa, e ela consegue dividir seu tempo entre o trabalho na embaixada, o namorado e as meninas do Lar Irmã Celeste. De férias no Brasil, ela recebe uma notícia bombástica: seu pai, o rei Andrej, sofreu um acidente sério e se encontra em estado gravíssimo. Agora Ana, como herdeira do trono, deve aprender a lidar na base da pressa com as pressões da realeza, cumprindo os compromissos do pai, aprendendo a lidar com a oposição que quer vê-la pelas costas. Alex é seu apoio, mas as coisas começam a complicar quando com as investidas da garota que não desiste. Até que um seqüestro põe sua vida em risco, ao mesmo tempo em que Ana descobre a verdadeira ameaça escondida em sua própria família..

Bom, eu adorei o primeiro livro com a princesa da Krósvia como protagonista, então quando soube da continuação, fui logo atrás. Apesar de estar na minha estante faz um tempinho, eu andava ansiosa pra ler. O primeiro livro, apesar de eu ter gostado, meio que me irritou com a implicância da protagonista pelo Alex, ao mesmo tempo em que achava o cara o maior gostoso, ficava enchendo. Dessa vez, e sim, eu gostei muito desse livro, o que me irritou foi a total incapacidade de Ana em fazer o certo, já que a vida dela estava em risco. É o segundo livro da Marina Carvalho em que a protagonista sofre um seqüestro, apesar de estar totalmente “avisada” que estaria em risco (a primeira vez foi no livro Azul da cor do mar, vejam a resenha). Esse é um dos problemas do chick-lit, e um dos fatores que me levam a não gostar muito do gênero. Enquanto alguns livros apresentam protagonistas com as quais você se diverte e ri a beça, outros irritam. E ainda outros causam as duas reações. Parece clichê do gênero, não sei, não sou inteirada sobre o assunto. Não me levem a mal, a história é boa, tem certas partes que eu consigo me colocar no lugar da personagem, mas tem outros momentos que sua incapacidade de ser racional só porque o relacionamento amoroso não está bom irrita. Apesar disso, eu gostei muito. Quero muito ler o livro seguinte, que pelo nome, Elena: a filha da princesa, dá a impressão de que trará uma nova protagonista e outros tipos de problemas. Recomendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário