12 de set de 2011

Belém do Grão Pará de Dalcídio Jurandir – DL 2011



Tema: Autores Regionais

Mês: Setembro de 2011 (Livro I)

Título: Belém do Grão Pará

Autor do livro: Dalcídio Jurandir

Editora: EDUFPA; Casa Rui Barbosa

Nº de páginas: 548

Sinopse: Em Belém do Grão Pará, lê-se, ao mesmo tempo, a história dos Alcântara, uma família de classe média, decaída do alto status social que tivera no governo do Prefeito Antônio Lemos, durante a alta da borracha, e a história da Belém dos anos 20, já decadente, mas com a estampa moderna parisiense que nela imprimira aquele Prefeito. Na tentativa de recuperar, pelo menos, a aparência da posição perdida, os Alcântara, sob a inspiração da fútil e gorda filha do casal, mudam-se da obscura rua onde moravam para a Av. Nazaré, onde se concentravam os ricaços, em geral fazendeiros da ilha do Marajó, mas vão ocupar aí uma casa em ruína, devorada pelos cupins. Quando a nova e chique residência ameaça desabar, a família, com a ajuda dos empregados, carrega, de noite, os poucos móveis que lhe restam, para a acolhedora sombra das mangueiras, à beira da calçada.

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… nada, na verdade. Mas a edição que eu li tem uma bela imagem: ao fundo, um dos pontos turísticos de Belém, o Ver-o-Peso visto da Baía de Guajará.

Eu escolhi este livro porque… é uma obra-prima da literatura paraense. Além do mais, o sobrenome da minha família é Alcantara, então fiquei curiosa para saber se podia fazer parte da família do livro (aqui no Pará, esse sobrenome tem tantas vertentes... Descobri isso quando fazia pesquisa da árvore genealógica da minha família, do lado materno).

A leitura foi… boa porque a linguagem é acessível. A história prende a atenção do leitor, principalmente porque se passa em uma Belém da época do boom da borracha, que as pessoas só conhecem pelos livros de história e por fotografias em preto e branco (eu particularmente adoro ver o Álbum de Belém, uma coleção de fotografias antigas da minha cidade e ver as mudanças nos nomes das ruas, como as praças eram antes, etc.).
Outro ponto forte do livro é que ele apresenta um glossário com palavras que podem ser estranhas ao leitor de outro estado e uma lista de topônimos com descrições dos lugares que fazem parte da geografia paraense.

O personagem que eu gostaria de ter ajudado foi a família Alcântara. Apesar de ser no mínimo curiosa a forma com ela perde todo o seu prestígio social.

O trecho do livro que merece destaque: todo o livro merece destaque.

A nota que eu dou para o livro: 5

2 comentários:

  1. Natalie, ola!
    Também escolhi um livro do Dalcídio (Marajó), ainda estou lendo e gostando muito, proavelmente o próximo será Belém do Grão-Pará, gostei da resenha.
    abs
    Jussara

    ResponderExcluir
  2. Nó, é bom descobrir algo que nos liga visceralmente a uma história. Parece ser o seu caso. Bjs

    ResponderExcluir