22 de mai de 2017

A formatura (Joelle Charbonneau) – DL L&T 2017


Título: A formatura
Autora: Joelle Charbonneau
Mês: Maio
Tema: Distopia
Editora Única, 318p.

Entre Tomas, seus estudos, a preocupação com o irmão no meio dos rebeldes, o estágio e amizades inesperadas, Cia se vê as voltas com a verdade sobre a rebelião. O que ela não imaginava é que a presidente iria designá-la para uma missão muito séria: uma que irá acabar com as atrocidades do Teste de uma vez por todas. Ao aceitar, Cia precisa pensar em quem ela pode confiar para ajudá-la. Tomas está do seu lado, Raffe a ajudou e a acobertou, e ela gosta de Enzo, mas e o restante? E Stacia e Will? Será que ela confia neles? Seus questionamentos aumentam a medida que ela amadurece e ela se vê novamente não seguindo o conselho de seu pai: “Não confie em ninguém!” Porque ela não pode fazer tudo sozinha e precisa de ajuda, mesmo que venha daquele que menos se espera.

Confesso, não sei o que sentir depois de ler esse livro. Como toda distopia, a história começa cheia de ação, em seguida vem o terror (porque vamos combinar, distopia está virando sinônimo de “Não se apegue a nenhum personagem porque ele provavelmente vai morrer”), e depois vêm aquela sensação de “E agora? Acabou?”. É como se toda aquela ação diminuísse (até porque as coisas começam a ser resolvidas) até os personagens terem finalmente paz. Não sei lidar bem com o final de distopias desde Esperança, é como se eu não quisesse aceitar que tudo acaba, que os sobreviventes agora vão reconstruir seu mundo, as lutas acabaram, como se depois de tanta morte sem sentido (vide Prim, porque essa morte nunca vai fazer sentido para mim), ninguém merecesse tranqüilidade. Horrível isso, eu sei, mas é essa a sensação. O bom do livro é que as reflexões de Cia, que são uma constante na história, deixam o leitor analisando junto com ela o que é certo e errado, quem é mau ou bom. Novamente a autora consegue chamar a atenção para aquela questão: o líder que quer acabar com o terror mas que, quando você observa melhor, não se mostra tão simpatizante dos sofredores assim. Não que a presidente seja uma traíra, mas eu fiquei com o pé atrás com ela. Um final de prender a atenção do início ao fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário