6 de fev de 2015

Os arquivos perdidos, de Pittacus Lore – DL do Tigre 2015


Tema: Para ler antes de dormir
Mês: Fevereiro
Leitura do mês: Os Arquivos Perdidos: os últimos dias de Lórien
Autor: Pittacus Lore
Editora Intrínseca, 101p.

Sandor, ainda jovem, freqüenta uma boate sem permissão, quando vê seu professor no local. Sem pensar duas vezes, ele tenta fugir e acaba indo parar no camarim de uma talentosa cantora garde, que o convida para assistir ao show. O jovem Sandor fica tão empolgado que esquece o professor e é apanhado. Na escola, as acusações sobre infringir regras são avaliadas e lhe são dadas suas escolhas: se tornar aprendiz nos Munis ou prestar serviço em um Kabarak. Inconformado porque seus pais concordam com a última opção, Sandor recebe uma proposta de um Cêpan Mentor para trabalhar no departamento de tecnologia de defesa. Ele aceita e começa seus estudos, menosprezando e tirando sarro de tudo aquilo, já que Lórien nunca havia entrado em guerra. Ele nem mesmo acreditava na profecia dos Anciões sobre uma ameaça que iria destruí-los. No entanto, a vida no departamento começa a parecer interessante quando ele é mandado para realizar um trabalho na rede e acompanha um Cêpan até a casa do garde dele. É durante uma comemoração do feriado do Quarto Crescente que Sandor percebe a gravidade das falhas na rede... O tempo dos lorianos começa a se esgotar...

Então, o teto veio abaixo.
Ao recobrar a consciência, avaliei a situação.
Escuridão.
Silêncio.
E – lá estava – dor.

Este livro é bem legal. Diferente dos outros, ele começa de uma forma meio chata, mas depois a história flui. Fiquei o tempo todo tentando me lembrar quem era Sandor até chegar na parte em que Lórien começa a ser destruída. Gostei também porque fala um pouco mais sobre a criação do planeta e da profecia de destruição. À medida que ia lendo, me perguntando como e quando começaria a destruição de Lórien; a partir do capítulo sete, alguns eventos estranhos começaram a me deixer agoniada porque parecia que a todo momento um mogadoriano iria aparecer. Sabe quando você espera o clímax do livro e quando ele acontece você fica como se não estivesse entendendo mais nada? Foi exatamente isso que senti quando começa a invasão mogadoriana. Achei interessante a maneira com que Sandor se tornou protetor de um garde, como acontece a fuga de Lórien, como as crianças receberam suas numerações. Os últimos capítulos são muito tristes, foi como assistir a segunda trilogia de Star Wars de novo, que mostra como Anakin Skywalker virou Darth Vader e toda a desgraça que se seguiu, dá uma sensação de impotência e você fica pensando nas várias formas de se remediar a situação quando sabe que não vai adiantar nada. Gostei, mesmo tendo soltado algumas lágrimas. Recomendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário