4 de nov de 2011

A cartomante de Machado de Assis – DL 2011


Tema: Contos

Mês: Novembro de 2011 (Livro I)

Título: A cartomante

Autor do livro: Machado de Assis

Editora: Jorge Zahar

Nº de páginas: 32

Sinopse: A cartomante é a história de um triângulo amoroso. Depois de anos de distância, Vilela reencontra o amigo Camilo e apresenta-lhe sua esposa, Rita. Paixão, traição e adultério fazem parte desta trama, que tem uma cartomante como personagem chave, selando o destino dos três. O conto foi publicado originalmente em 1884.


Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi… o cenário ao fundo, com os personagens principais em primeiro plano. Parece um desenho antigo.



Eu escolhi este livro porque… nunca, pelo menos que eu me lembre, havia lido um conto.



A leitura foi… legal. Não sei por quê, mas eu gosto de histórias sobre traição. Acho que é porquê eu fico ansiosa para saber o que os traídos farão e quando, fico na expectativa da descoberta, que na maioria das vezes é mais legal de ler do que sobre os perigos dos encontros clandestinos. Também gostei da cartomante (apesar de não conseguir acreditar muito nessas coisas), que graças a Deus não tirou a emoção do final, mesmo respondendo aos questionamentos e dúvidas de Camilo.



O personagem que eu gostaria de ter ajudado foi ninguém. Queria mais era que o romance fosse descoberto mesmo. Traidores merecem ser expostos à vergonha.



O trecho do livro que merece destaque:.”Camilo quis sinceramente fugir, mas já não pôde. Rita, como uma serpente, foi-se acercando dele, envolveu-o todo, fez-lhe estalar os ossos num espasmo, e pingou-lhe o veneno na boca. Ele ficou atordoado e subjugado. Vexame, sustos, remorsos, desejos, tudo sentiu de mistura, mas a batalha foi curta e a vitória delirante. Adeus, escrúpulos!” Eu destaco essa parte para falar sobre a minha indignação com o fato de que, como sempre, a culpa da traição é sempre em primeiro lugar da mulher. Acho que os autores (e as pessoas de forma geral) deveriam salientar o fato de que, se os HOMENS não fossem tão pateticamente fracos e totalmente suscetíveis a luxúria, muita coisa ruim poderia ser evitada.



A nota que eu dou para o livro: 5

3 comentários:

  1. Lol...Machado de Assis é tudo de bom. É impressão minha ou a maioria dos romances dele tem um toque de traição, porque se for assim, vou amar sempre ele.
    Adorei sua resenha, fiquei super na vontade de ler,na vontade mesmo =(

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Que bom que a sua primeira leitura de um conto tenha sido prazerosa.

    ResponderExcluir