24 de mai de 2011

Christopher Paolini


No livro Eragon, Eragon é um jovem camponês de 15 anos, que vive com o tio e o primo no vale Palancar. Em uma caçada, acaba encontrando uma pedra azul polida e a partir daí sua vida muda totalmente. Esta pedra, na verdade, é um ovo de dragão roubado do rei tirano Galbatorix. Quando o ovo rompe e Saphira nasce, Eragon se torna um cavaleiro. Ajudado por Brom, o velho contador de histórias de seu vilarejo, Eragon descobre muito mais sobre a história dos cavaleiros de dragões e como Galbatorix perverteu a ordem e se tornou um rei tirano. Brom, na verdade, é um antigo cavaleiro, e treina Eragon para que ele possa alcançar os Varden, um grupo forte de oponentes do rei. No meio do caminho, Eragon começa a ter sonhos estranhos com uma bela mulher. Resolvido a ajudá-la, ele acaba sendo capturado pelo espectro Durza, mas foge e liberta Arya, a mulher misteriosa, descobrindo que na verdade ela é uma elfa. Ajudado por Murtagh, ele e Saphira chegam até os Varden, onde descobre a identidade do rapaz que o ajudou. Mesmo assim, eles acabam ficando amigos. Em combate, Eragon consegue matar Durza, mas o espectro lhe fere terrivelmente. Mas a ajuda chega de onde menos o cavaleiro poderia esperar. 
Em Eldest, três dias após a vitória sobre os urgals mandados por Galbatorix, Ajihad, líder dos varden, é morto e Murtagh é capturado em uma emboscada por dois magos traidores. Eragon se entristece com a perda do amigo e a morte do líder varden. No lugar dele, Nasuada, sua filha, assume a liderança dos revoltosos. Ela permite que Saphira e o cavaleiro viajem para Du Weldenvarden, reino dos elfos, para que Eragon possa começar seu treinamento apropriado. Lá, ele descobre que Arya é a filha da rainha e encontra Oromis e Glaedr, cavaleiro e dragão mais antigos que Galbatorix. Enquanto isso, o rei manda para Carvahall os ra’zac, para capturarem Rohan, primo de Eragon. Mas Rohan não se rende, luta desesperadamente, e enlouquece quando Katrina, sua amada, é raptada. Ele, então, convoca todos os moradores do vilarejo para partir. Seus feitos de coragem falam por si só, e mesmo com temores, todos o seguem. De volta ao reino élfico, Eragon tem seu ferimento curado em uma celebração élfica, e sua aparência modificada. Mais forte, ele e Saphira vão para Surda, onde os varden se encontram e na batalha com o exército de Galbatorix, descobrem que existe um novo cavaleiro, sob o julgo do rei.
Brisingr narra a tentativa de Eragon, Saphira e Rohan de resgatarem Katrina das garras dos ra’zac. Ambos estão a par dos acontecimentos desde que se separaram. Eles conseguem resgatar a jovem, mas Rohan e Katrina voltam sem Eragon para os varden, pois o jovem decidiu ficar para dar uma punição a Sloan, pai de Katrina e traidor do povoado. De volta aos varden, Eragon descobre que a rainha élfica Islanzadí enviou um grupo de elfos poderosos para protegê-lo e a Saphira. Como cavaleiro, ele celebra o casamento do primo com Katrina e Rohan se alista ao exército varden, ganhando respeito por seus feitos. Eragon deseja voltar para o treinamento com Oromis porque mesmo não perdendo para Murtagh e Thorn, ele sabia que precisava aprender mais. No entanto, Nasuada manda-o e Saphira para participarem da escolha do novo rei, sucessor de Hrothgar, morto durante a batalha na Campina Ardente. Uma vez que Orik é escolhido rei, cavaleiro e dragão voam para Du Weldenvarden para continuar seu treinamento e lá Oromis conta quem é seu pai de verdade. De posse desse conhecimento, e querendo uma nova espada, Eragon convence a elfa ferreira a lhe fazer uma nova arma. Ele e Saphira também aprendem sobre os Eldunarí e descobrem uma das fontes de poder e controle de Galbatorix. Ventos de guerra sopram, os elfos resolvem sair de seus recantos escondidos e Oromis e Glaedr se juntam a batalha. As conseqüências desses atos levam Eragon a mais uma etapa do caminho em direção a Urû’baen.


A trilogia, agora ciclo da Herança, de Christopher Paolini, surpreende do início ao fim. Quando eu soube que não seriam mais 3 livros, e sim 4, fiquei muito feliz, não só pelo final de Brisingr mas porque queria que Murtagh e Thorn tivesse bons finais (estava comparando-os com Snape, e mesmo que ele tenha se redimido no final e nunca houvesse sido de verdade um traidor, não queria para eles o mesmo destino do bruxo). Depois de Harry Potter, nenhuma série me fez ficar mais louca de ansiedade do que essa. O fato de ser uma história quase centrada nos dragões também me chamou atenção. Paolini foi muito inteligente em unir muita ação, um vilão onipresente e aterrorizante somente pelo nome, elfos, magia e dragões, com uma clara influência de Tolkien. Tudo isso fez essa história ser uma das melhores sagas que eu já li.

Nenhum comentário:

Postar um comentário